A Marcha da Fome de Pevidém (1944)



Quando escrevi sobre o cortejo dos mil carros, que percorreu as ruas de Guimarães em 30 de Outubro de 1943, houve quem recordasse a Marcha da Fome de Pevidém, de que nos chegam vagos ecos que fazem alguns duvidar se terá mesmo acontecido.
Graças aos exercícios de equilibrismo do regime, Portugal manteve uma posição de neutralidade durante a guerra que atravessou a primeira metade da década de 1940, o que livrou o país de participar directamente nas confrontações militares, escapando aos seus horrores, destruições e mortes, mas não o livrou dos seus efeitos. No seu quotidiano, os portugueses sofriam a escassez de alimentos (não é que não houvesse géneros, mas não chegavam a todos). Instalou-se o açambarcamento e alimentou-se um mercado negro que se sustentava da especulação. Em 1943, o Governo, que insistia em sustentar a imagem do oásis de normalidade, à margem duma Europa em dramática convulsão, foi obrigado a ceder à realidade e impôs o racionamento dos bens de primeira necessidade. Que nada resolveu. Com os géneros racionados faltavam ou porque não chegavam a tempo ou porque eram manifestamente insuficientes, não chegavam para todos, o mercado negro continuou a prosperar. A fome instalou-se e com ela veio a revolta, que deu origem às maiores greves e manifestações contra o Estado Novo de que há memória.
Na clandestinidade, o Partido Comunista Português lançou um apelo à greve com a palavra de ordem “pelo pão e pelos géneros”. As paralisações foram marcadas para os dias 8 e 9 de Maio de 1944 e tiveram impacto significativo na região de Lisboa. Além das greves, organizaram-se Marchas da Fome, que convergiram para Vila Franca de Xira.
Foi neste contexto que aconteceu a Marcha da Fome de Pevidém. Operários vindos do coração operário do Vale do Ave, desde Riba de Ave a Pevidém, marcharam até Guimarães em silêncio, carregando as bandeiras negras da fome. Lutavam pelo mais básico de todos os direitos: o direito ao pão. A manifestação foi engrossando pelo caminho e, quando chegaram à cidade, já seriam mais de dois mil os que marchavam. Dirigiram-se à Câmara Municipal, com o propósito de falar com o seu presidente. Vencidas resistências, acabariam por ser recebidos. A sua mensagem era simples: “temos fome, não podemos trabalhar”. Foram ouvidos, deram-lhes palavras esperançosas. Regressaram a casa como tinham vindo. Pacificamente. E ficaram à espera. Mas nada mudou.
Sobre a Marcha da Fome de Pevidém de 8 de Maio nada sabemos, a não ser o que guardou a memória dos que a viveram e nos deixaram o seu testemunho. Nos jornais da terra, nenhuma palavra. Na reunião da Câmara que se seguiu à recepção dos manifestantes, absoluto silêncio. Aparentemente, nada aconteceu naquela segunda-feira de Maio de 1944.
A Marcha da Fome de Pevidém foi recordada em 2012, no quadro da Capital Europeia da Cultura, dando origem a um livro (A Marcha da Fome de Pevidém — Memórias de um Passado na Inquietude do Agora, de Luiza Cortezão e Francisco Neves), que motivou uma reportagem de Samuel Silva, no Público (4 de Novembro de 2012).
Sobre a marcha da fome falam dois democratas de Guimarães, em livros que são incontornáveis para a compreensão da nossa história contemporânea, J. Santos Simões e Eduardo Ribeiro.
Escreveu Santos Simões, na página 45 do seu “Braga — Grito de Liberdade” (1999):
Com serenidade e determinação inabaláveis, nasce das terras de trabalho de Pevidém e Riba d’ Ave o que veio a designar-se como marcha da fome.
Tudo se conjugou para, sem qualquer esforço, quase sem uma palavra, apenas movidos por um legítimo direito de sobrevivência (a que não era estranho o drama das crianças) o povo se lançar a caminho de Guimarães.
Foi uma manifestação impressionante em que o silêncio só era ferido pela rudeza do bater dos socos (de quem os tinha) e marcada pela angústia do trágico agitar das bandeiras pretas.
Aos operários em marcha, outros, muitos, se foram juntando ao longo da caminhada até à cidade. E também a solidariedade dos que em Guimarães os acolheram mudos de espanto, acompanhando-os, igualmente em silêncio, até à Câmara Municipal. Ouviram as promessas e com elas partiram para suas casas, tão pobres quanto vieram.
Por sua vez, Eduardo Ribeiro, registou o seu testemunho sobre as marchas da fome na página 125 na sua obra “Insubmissão — Resistência ao Salazarismo” (2011):
A longo do País começou a ser vulgar o povo fazer marchas da fome. Assim, a partir de Pevidém, forma-se uma marcha da fome com homens e mulheres trazendo como estandarte bandeiras pretas simbolizando a fome. Ao longo do percurso até à Câmara Municipal de Guimarães, por onde passava a marcha, o povo foi-se juntando até à cidade. O povo pretendia ser ouvido pelo Presidente da Câmara. As forças policiais e para policiais dividiram-se pois a força da Legião Portuguesa defendia que deviam ser dispersos à coronhada, enquanto o comandante da GNR defendia que o Presidente devia recebê-los e prometer alguma coisa. Assim foi, tendo vencido o bom senso.
Algumas semanas depois foi distribuída alguma farinha pelas freguesias. Quem escreve estas linhas recorda-se de ter participado na pesagem e registo de cartuchos de farinha na freguesia de Gondar. Foi muito pouco, mas para quem não tinha nada... foi alguma coisa, muito embora não correspondesse nem às necessidades nem ao apelo do povo.


Sem comentários:

Com tecnologia do Blogger.