Avançar para o conteúdo principal

Mensagens

A mostrar mensagens de 2015

Festas Nicolinas: história e tradição

Quando o Inverno lhe bate à porta, Guimarães ganha uma nova banda sonora. Entre o fim de Novembro e os dias iniciais de Dezembro, é rara a hora em que se não escuta, em fundo, o som das baquetas a percutirem nas peles dos tambores. São esses os dias em que as Nicolinas se anunciam e acontecem. De todas as festividades cíclicas do calendário vimaranense, as festas que os estudantes de Guimarães dedicam ao seu padroeiro são as que despertam emoções mais à flor da pele e as mais desencontradas tentativas de interpretação. Estas são festas singulares. Da origem das festas a S. Nicolau quase nada se sabe. Tem sido levantada a hipótese de terem tido origem na Universidade da Costa. Não entraremos aqui na discussão acerca da existência de uma universidade no antigo convento da Costa. Independentemente da sua natureza institucional, é seguro que ali existiu um estabelecimento para educação de príncipes, que contou entre os seus alunos com o príncipe D. Duarte, que seria arcebispo de Braga, e c…

As maçãs dos estudantes

É posse, é obrigação dar-vos as maçãzinhas. Esses pomos de amor, perfeitos, coradinhas. (Bráulio Caldas, Bando Escolástico de 1895)

Nos últimos dias, tem-se falado de maçãs em Guimarães. E hoje é o dia do cortejo da entrega das maçãs que ocupa o lugar culminante nas festas que os estudantes vimaranenses dedicam, há séculos, ao seu patrono S. Nicolau. Na sexta-feira realizou-se uma interessante conferência de Raul Rodrigues, professor da Escola Superior Agrária de Ponte de Lima (Instituto Politécnico de Viana do Castelo) sobre o tema: Maçãs do Minho: resgatando um património perdido. Hoje mesmo foi inaugurado na Horta Pedagógica de Guimarães um Pomar das Maçãzinhas. Ambas as iniciativas aparecem explicitamente associadas à tradição Nicolina e ao seu “património vegetal”, tendo subentendida: entre tantas espécies de maçãs (o professor Raul Rodrigues já coleccionou um cento de variedades diferentes de “maçãs do Minho” e, ao que se percebe, a sua colecção ainda não estará completa. Pelo que l…

Os emblemas do Vitória

As camisolas dos jogadores do Vitória Sport Clube dos primeiros anos ostentavam como emblema um anagrama com a sigla VSC ou simplesmente a letra V. O primeiro emblema do Vitória Sport Clube, propriamente dito, distinguia-se do actual pela posição de D. Afonso Henriques (aparece a olhar de frente) e pela sigla inscrita do lado direito, sob fundo branco. Não conseguimos fixar ao certo quando foi criado, podendo datar-se o seu aparecimento dos primeiros anos da década de 1930. Em 1972, aquando da celebração do cinquentenário vitoriano, foi revelado que o seu autor era o arqueólogo Coronel Mário Cardoso, durante várias décadas presidente da Sociedade Martins Sarmento, que explicou a sua criação: “com a sugestão das palavras Vitória e Guimarães vinha logo ao pensamento o fundador da nacionalidade Afonso Henriques, “ex-libris” de Guimarães, em atitude serena mas destemida da imagem que o grande estatuário Soares dos Reis modelou. Acerca das cores preta e branca parece que os fundadores do …

Aqui nasceu o Vitória Sport Club

As fontes e os testemunhos disponíveis não deixam margens para grandes dúvidas quanto ao local de nascimento do Vitória Sport Clube. O clube foi fundado na loja do seu primeiro presidente, António Macedo Guimarães, a Chapelaria Macedo, com porta aberta em parte do edifício actualmente ocupado pelo Café Milenário, ali bem perto da Torre da Alfândega, onde está afixada a inscrição “Aqui nasceu Portugal”. Já quanto à data, a situação é mais problemática. Não se ignora que está oficialmente assumido o dia 22 de Setembro de 1922, mas até hoje não encontrámos nenhum documento, testemunho ou indício que permita confirmar essa data.
No passado, o Vitória não tinha por tradição celebrar os seu aniversários. Pelos programas das festas com que se assinalaram as bodas de prata, em 1947, e as bodas de ouro, em 1972, percebemos que existia uma ideia quando à altura em que o clube foi fundado, mas não quanto ao dia em que aconteceu. No primeiro caso, os actos festivos decorreram de 11 a 20 de Outubro…

O Vitória, no tempo do foot-ball (1922-1927)

O texto que se segue resulta de mais um desafio de Miguel Salazar, que chegou em forma de pergunta: “Consegue encontrar alguma perspectiva da fundação do Vitória que lhe pareça interessante?” O desafio era o de escrever um artigo que, ilustrado com um dos seus magníficos cartoons, marcasse o aniversário do Vitória, que se celebra a 22 de Setembro. Respondi que talvez, que sim, que ia ver, mas confesso que não estava muito virado para aí, já que o futebol nunca foi a minha praia. Fui ver e, quando lhe respondi, disse-lhe que tinha material não para um, mas para dois artigos. O primeiro, que agora reproduzo aqui, foi publicado na revista “Mais Guimarães” de Setembro e cobre o período 1922-1927. O segundo, referente aos anos de 1927 a 1932, está a acabar de ser escrito e será publicado em Outubro na mesma revista.

O Vitória, no tempo do foot-ball (1922-1927)
Se fosse possível imaginar a relevância que o futebol viria ter na sociedade contemporânea, quando em Guimarães se começaram a dar os …