5 de abril de 2011

O Castelo de Guimarães numa fotografia de meados do séc. XIX


Castelo de Guimarães. Fotografia de Francesco Rocchini (c. 1849-1873).
(Clicar na imagem para ampliar)
 
Fotografia do Castelo de Guimarães, também pertencente ao álbum "Album pittoresco e artistico de Portugal" que integra a colecção de D. Teresa Christina, mulher de D. Pedro II do Brasil.
Partilhar:

5 comentários:

Cristina Torrão disse...

Belas fotografias

Anónimo disse...

Boa noite,

Gostaria que me esclarecesse - se o souber - se alguma vez o castelo teve que ser reconstruído para ter o aspecto que tem hoje.

Obrigado

aan disse...

O Castelo, tal como o vemos hoje, resulta de obras de restauro realizadas entre 1936 e 1940.

Luís disse...

Boa tarde,

Sempre é verdade que o Castelo não foi demolido por um voto numa determinada Assembleia?

Obrigado

Luís

aan disse...

Esse é um dos nossos “mitos urbanos” mais antigos e persistentes. Em 1835, no contexto da derrota definitiva do absolutismo em Portugal, a gestão municipal de Guimarães foi assumida pela Sociedade Patriótica Vimaranense. Em reunião dessa Sociedade, realizada no dia 31 de Janeiro de 1836, “um dos sócios propôs a demolição do nosso venerando Castelo, devendo a pedra ser empregada em ladrilhar as ruas, e isto pelo único motivo de ele haver servido de prisão política no tempo de D. Miguel”. Levada a votação, a proposta foi derrotada, mas não pela margem de um voto, como tantas vezes temos ouvido dizer: a proposta colheu 4 votos a favor e 15 contra (ou seja, quase 80% dos votos foram contrários a demolição). Já aí, a consciência do valor histórico e patrimonial do Castelo se sobrepôs a outros interesses, no caso aqueles que resultavam das convicções liberais e anti-absolutistas dos membros da Sociedade Patriótica Vimaranense.