5 de outubro de 2013

Nascer em dia errado (5 de Outubro de 1910)


No dia 5 de Outubro de 1910, publicou-se em Guimarães o primeiro número do jornal Correio de Guimarães. Assumia-se como monárquico e tinha como director João Rocha dos Santos, advogado vimaranense qe seria presidente da Câmara durante o sidonismo e a monarquia do Norte (1918-1919) e, mais tarde, já no Estado Novo. Como administrador, aparecia o Capitão Alcino Machado. Resultando de uma dissidência entre os progressistas vimaranenses, o novo periódico apresentava-se como “semanário do Partido Progressista”.
No mesmo dia em que se apresentava aos seus leitores, escrevia-se no Mundo, de Lisboa:
Proclamada por importantes forças do exército, por toda a armada e auxiliada pelo concurso popular, a República tem hoje o seu primeiro dia de História. A marcha dos acontecimentos, até à hora em que escrevemos, permite alimentar toda a esperança de um definido triunfo.
O primeiro número do Correio de Guimarães seria também o último. Eis o programa com que se apresentou e que não cumpriu:

CORREIO DE GUIMARÃES
É desnecessário traçar o programa dum jornal político.
Progressistas, o nosso partido encontrar-nos-á sempre a seu lado, sem defecções nem tibiezas, prontos a lutar pelo seu engrandecimento e prestígio.
Sendo progressistas, somos também monárquicos, e hoje mais que nunca, a monarquia que por covardia ou inconsciência se entregou confiadamente na mão dos exploradores que desde há muito cobiçavam a presa, carece de monárquicos.
Mal parece dizê-lo, mas a verdade insofismável é que os mais interessados em que se mantenham as instituições vigentes as entregam vergonhosamente aos seus adversários.
Não vale até muito a pena ser monárquico num país como este onde é quase um crime, professar ideias monárquicas.
Muito embora, sê-lo-emos enquanto estivermos convencidos de que na monarquia está a independência da nossa querida pátria.
Isso, e só isso, nos força a continuar na defesa dum regime que não pode, não sabe, ou não quer defender-se.
Em país nenhum, como neste, se assiste ao triste e doloroso espectáculo de ver um governo monárquico aliado, para se aguentar no poder, com os revolucionários com o auxílio dos quais escalou o poder e a quem há-de pagar prodigamente —os factos começam a demonstrá-lo — os serviços prestados com transigências que rebaixam e, o que é pior, com o sacrifício o desprestigio das instituições e ainda com os dinheiros públicos que representam o suor e o trabalho do povo português que se estiola numa luta de fome e miséria, envergonhado do papel deprimente, que o seu país representa perante as nações civilizadas do mundo.
Em país nenhum, como neste, subiria aos mais altos poderes da monarquia quem, como o novo par do reino João Pinto dos Santos, andou de armas ao ombro para o derrubar.
Eis o que faz o medo!
*
Assim como um jornal que se arregimenta debaixo duma bandeira partidária está dispensado de apresentar ao público que o lê, o seu programa que é o programa do partido em que milita, assim também um jornal vimaranense escusa de afirmar que se encontrará sempre ao lado dos seus conterrâneos, coadjuvando-os nas suas aspirações.

Jamais sacrificaremos aos interesses partidários, o progresso e desenvolvimento desta cidade.
Partilhar:

0 comentários: