Em 1908, Guimarães defende o seu Castelo (5)

O Castelo de Guimarães no início do século XX.

Retomando a publicação dos artigos da campanha de 1908, do jornal O Comércio de Guimarães, em defesa do Castelo, transcreve-se agora o texto que saiu em 28 de Julho, onde, depois de se afirmar que o Castelo tinha em si “o suficiente para, um dia, ir pelos ares — o depósito de pólvora.”, que “as suas ameias se desmoronam dia a dia, que é um valhacouto de imundície, se não de alguma coisa imprópria de se dizer”, se apela às  entidades locais  — Câmara e associações — para que se coloquem à frente do combate em defesa do mais venerando dos nossos monumentos.

~*~
O Castelo de Guimarães
V
Apesar do concelho no Guimarães não ter no parlamento um representante directo, não lhe faltará quem nele advogue os seus interesses, se ele o pedir.
Deve-se, pois, procurar quanto antes, quem nele inste pela reparação do primeiro monumento histórico.
Também seria conveniente apela-se para a ilustre comissão dos monumentos nacionais.
Ela pode prestar relevantíssimos serviços.
É preciso dizer-lhe e expor-lhe tudo, isto é, que o castelo de Guimarães, essa veneranda relíquia, tem em si o suficiente para, um dia, ir pelos ares — o depósito de pólvora.
Que as suas ameias se desmoronam dia a dia, que é um valhacouto de imundície, se não de alguma coisa imprópria de se dizer.
Não descansemos sobre o assunto, e vencer-se-á a campanha.
Principiemos, acabemos.
A Câmara Municipal, as Associações Comercial e Artística e a benemérita Sociedade Martins Sarmento devem ir na frente para o combate.
Nós cá estamos, e estaremos no nosso posto.

O Comércio de Guimarães, 28 de Julho de 1908

Sem comentários:

Com tecnologia do Blogger.