Avançar para o conteúdo principal

Mensagens

A mostrar mensagens de Dezembro, 2015

Festas Nicolinas: história e tradição

Quando o Inverno lhe bate à porta, Guimarães ganha uma nova banda sonora. Entre o fim de Novembro e os dias iniciais de Dezembro, é rara a hora em que se não escuta, em fundo, o som das baquetas a percutirem nas peles dos tambores. São esses os dias em que as Nicolinas se anunciam e acontecem. De todas as festividades cíclicas do calendário vimaranense, as festas que os estudantes de Guimarães dedicam ao seu padroeiro são as que despertam emoções mais à flor da pele e as mais desencontradas tentativas de interpretação. Estas são festas singulares. Da origem das festas a S. Nicolau quase nada se sabe. Tem sido levantada a hipótese de terem tido origem na Universidade da Costa. Não entraremos aqui na discussão acerca da existência de uma universidade no antigo convento da Costa. Independentemente da sua natureza institucional, é seguro que ali existiu um estabelecimento para educação de príncipes, que contou entre os seus alunos com o príncipe D. Duarte, que seria arcebispo de Braga, e c…

As maçãs dos estudantes

É posse, é obrigação dar-vos as maçãzinhas. Esses pomos de amor, perfeitos, coradinhas. (Bráulio Caldas, Bando Escolástico de 1895)

Nos últimos dias, tem-se falado de maçãs em Guimarães. E hoje é o dia do cortejo da entrega das maçãs que ocupa o lugar culminante nas festas que os estudantes vimaranenses dedicam, há séculos, ao seu patrono S. Nicolau. Na sexta-feira realizou-se uma interessante conferência de Raul Rodrigues, professor da Escola Superior Agrária de Ponte de Lima (Instituto Politécnico de Viana do Castelo) sobre o tema: Maçãs do Minho: resgatando um património perdido. Hoje mesmo foi inaugurado na Horta Pedagógica de Guimarães um Pomar das Maçãzinhas. Ambas as iniciativas aparecem explicitamente associadas à tradição Nicolina e ao seu “património vegetal”, tendo subentendida: entre tantas espécies de maçãs (o professor Raul Rodrigues já coleccionou um cento de variedades diferentes de “maçãs do Minho” e, ao que se percebe, a sua colecção ainda não estará completa. Pelo que l…