31 de julho de 2015

As Gualterianas de 1907 vistas pela objectiva de Aurélio Paz dos Reis

Aurélio Paz dos Reis (1862-1931)
As Festas Gualterianas de 1907 mereceram uma reportagem fotográfica na revista Ilustração Portuguesa, que agora se republica. Trata-se de um conjunto de 15 fotografias que já antes tinham sido mostradas aqui, sem indicação do fotógrafo, que não estava identificado na fonte de onde as imagens foram extraídas. O autor das fotografias é Aurélio Paz dos Reis, o pioneiro do cinema em Portugal, que, aliás, aparece na imagem que aqui vai com o n.º 7, Capela onde se baptizou D. Afonso Henriques, com o filho Homero. Na fotografia n.º 9, Uma barraca de refrescos, são identificáveis os filhos Homero e Horácio. Devo estas informações a Aida Freitas Ferreira, do Centro Português de Fotografia (que tem no seu arquivo o fundo de Aurélio Paz dos Reis), a quem agradeço.



As Festas Gualterianas em Guimarães
S. Gualter é santo de particular devoção em Guimarães, que todos os anos o festeja com entusiasmo.
É de saber que o santo era filho da nossa terra e pertenceu ao convento de S. Francisco do Monte, em Viana, onde morreu no último quartel do seculo XVI. Era simples leigo, mas bom teólogo, segundo afirma o Hagiológio Lusitano do padre Cardoso. Além disso, tinha “celestiais êxtases”, e recebeu até revelação do seu trânsito, porque três dias antes do passamento mandou preparar a própria sepultura, a qual quis experimentar várias vezes, metendo-se sempre nela com evidente satisfação e grande alegria. Quando achou afinal bem afeiçoado o leito, acomodou-se nele definitivamente, proferindo estas últimas palavras, conforme a versão do seu citado biógrafo: “Pelejado hei, Senhor, como bom cavaleiro, seguido hei vosso estandarte. A vós devo tudo, e a vós, Senhor, o torno. Vamos, Senhor, vamos a gozar desses bens que prometestes aos que bem pelejassem.” E adormeceu serenamente na morte, com a calma da fé daquelas tempos.
No grande exército que forma a coorte dos santos da igreja católica, S. Gualter não representa uma personalidade de grande evidência mundial, e os Bolandistas não lhe consagram mesmo detida escritura; mas para nós, seus compatriotas, é natural o têrmo-lo em especial conta, tanto mais que os santos nados no solo português não são em grande número. Até, comparados com os navegadores da nossa epopeia, formam uma minoria escassa, parecendo que o terreno nacional foi mais prolífico de heroísmo do que de santidade.
Seja como for, o certo é que S. Gualter merece a especial predilecção de Guimarães, a importante cidade industrial do Minho, que anualmente o comemora com tradicionais festas populares, a que desta vez imprimiu um excepcional brilhantismo, fazendo coincidir com elas uma imponente festa da cidade, promovida pela sua Associação Comercial. Compreenderam, por isso, as festas gualterianas deste ano feiras de gado cavalar e bovino, o arraial costumado, tourada, exercícios e retraite de bombeiros, tiro aos pombos, concerto pela banda da guarda municipal de Lisboa, vistosas iluminações, todo o grande aparato de uma verdadeira festa local, a que não faltou sequer a comparência de Sua Majestade El-Rei em um dos seus dias de mais intenso movimento.
Escusado será acentuar a intuitiva conveniência de que nas outras terras portuguesas em que têm sobrevivido as festas antiquadas do povo, o belo exemplo dado por Guimarães seja seguido.
Ilustração Portuguesa, n.º 81, de 9 de Setembro de 1907, pp. 342-344

1. A comissão de remonta medindo um cavalo

2. Jardim do Toural

3. Velho castelo

4. Grande Hotel do Toural

5. Largo D. Afonso Henriques

6. Um janelão original.

7. Capela onde se baptizou D. Afonso Henriques.

8. Claustro de Nossa Senhora da Oliveira

9. Uma barraca de refrescos

10. Manuel Casimiro e filho na ida para a corrida

11. Bancada de sombra (esquerda)

12. Bancada de sombra (direita)

13. Estátua de D. Afonso Henriques

14. Toural

15. Campo da Feira

Partilhar:

1 comentários:

casamenteiro disse...

Às tantas, as que saíram na mesma publicação, em 1908 e 1910, também serão dele!