Avançar para o conteúdo principal

Subsídios para a compreensão do conflito entre Braga e Guimarães (9)




[continua daqui]
Os vimaranenses da segunda metade do século XIX queixavam-se do muito que pagavam para o orçamento distrital e do nada que recebiam em troca. Mas havia outras razões para o desconforto. Entre elas, a sobranceria com que Braga assumia a sua condição de capital do distrito. Relatamos agora um episódio sucedido na Primavera de 1881, durante  uma digressão pelo Minho da companhia residente do Teatro-Circo Príncipe Real (o mesmo que, depois de 1910, passaria a ser designado por Teatro Sá da Bandeira), que começou em Guimarães. Para os espectáculos realizados em Guimarães foi construído um novo teatro-barracão na rua de Gil Vicente. No dia 12 de Maio, saiu de Guimarães, depois de três récitas, com a promessa de regressar no dia 23, para mais quatro dias de espectáculos, estes no Teatro D. Afonso Henriques. A companhia seguiu para Braga onde foi recebido com inusitada frieza. Os bracarense não lhe perdoaram a desfeita de ter vindo em Guimarães antes de passar a Braga. A soberba e orgulhosa Braga não prescindia das suas prerrogativas de cabeça de distrito.

No jornal Imparcial, encontrámos o relato da passagem da companhia do Teatro-Circo do Príncipe Real pelo Minho, em Maio de 1881:

Teatro
Depois de bastante tempo de interrupção no teatro de D. Afonso Henriques, houve por bem a companhia do Príncipe Real, do Porto, vir obsequiar-nos com alguns espectáculos do seu variado reportório, e dos quais já nos temos ocupado em vários números do nosso jornal.
Primeiramente abriu uma assinatura de 3 récitas, a qual foi prontamente fechada, representando-se em três noites sucessivas A morta do Azinhal, O Doutor Piccolo e os Dragões de El-rei, espectáculos estes que satisfizeram a vontade dos bons vimaranenses, ávidos por coisas boas, e sempre generosos para quem lhas proporciona. Daqui seguiu a empresa para a vizinha capital do distrito, - a soberba e orgulhosa Braga -, onde foi recebida com frieza tal, que só assistiram ao espectáculo que havia anunciado meia dúzia de sujeitos, e estes somente para anunciarem à companhia que os seus compatriotas estavam despeitados com ela, por haver cometido a feia imprudência de visitar Guimarães primeiro do que a velha terra do Pópulo!
- Horrendo crime! Preferir Guimarães à terceira cidade do reino! Esquecer que é ali a residência do Primaz das Espanhas!
Isso, em verdade, foi uma daquelas desconsiderações que não podem nem devem obter perdão!... etc. e tal.
Em virtude do que a empresa se retirou imediatamente para o Porto, onde se demorou até ao dia 23 do corrente, em que novamente se apresentou nesta tão nobre, heróica e populosa como modesta cidade, para mimosear-nos com mais 4 belas noitadas, passadas o mais agradavelmente possível, ouvindo os melífluos gorjeios de Irene Manzoni, Améia Garraio, Wannimel, e outras, apreciando as garridas músicas de Offenbach, Robert Planquet, Hervé, ets., que a bem afinada orquestra de Alves Rente tanto fez sobressaírem, e admirando os merecimentos cénicos de Gama, Foito, Firmino e Abel, que na Perichole, Sinos de Corneville, Dragões de el-rei e Conspiradores na Corte nos têm mostrado, especialmente Gama, quanto pode o estudo e a inteligência no homem que deseja ser actor
Gama, assasmente conhecido no nosso teatro, nos Sinos, arrebatou todos os espectadores. Não se pode desejar mais, nem é crível que possa alguém excedê-lo nas últimas cenas do Gaspar. Conquistou nelas um entusiasmo, como não nos recordamos ver aqui, sendo-lhe oferecidos alguns ramos de flores.
Manzoni também é uma actriz distinta, e Amélia Garraio tem o seu nome bastante vulgarizado.
Wannimel, Foito, Firmino, Abel, e os demais actores, contribuem maravilhosamente para classificar esta companhia como uma das melhores do país.
Os fatos são elegantes e alguns ricos.
As enchentes têm-se contado pelas representações.
Hoje é o espectáculo de despedida, subindo à cena a Senhora Angot.

Imparcial, Guimarães, 27 de Maio de 1881
[continua]

Comentários