7 de junho de 2013

Pregões a S. Nicolau (91): 1940

S. Nicolau

Não temos notícia das festas a S. Nicolau de 1939. 1940 foi o ano da celebração dos centenários da Fundação de Portugal e da Restauração da Independência. Guimarães foi um dos principais centros das celebrações nacionais, tendo-se aformoseado para as festas. Entretanto, a Europa estava em guerra. De tudo isto falava o pregão de 1940, escrito, uma vez mais, por Delfim de Guimarães e recitado por Augusto Maria Peixoto Sampaio de Bourbon da Cunha e Castro.


BANDO ESCOLÁSTICO
Recitado em 5 de Dezembro do Ano Áureo de 1940
pelo Académico do 5.° ano
Augusto Maria Peixoto Sampaio de Bourbon da Cunha e Castro

No mundo há a expressão vincada do terror!
É a Terra, Mar e Céu batidos do fragor
Das bocas dos canhões, hiantes, colossais,
Que vomitam a morte em uivos infernais!...
É o Invento do Homo, a Ideia, a Inteligência,
É o Estudo profundo, o Génio e a Ciência,
É tudo em vagalhões de raiva desmedida,
É tudo em convulsões — destruição da Vida!...

Quando é que a voz de Deus nos bradará: — Parai,
Ó loucos da ambição!?... Já basta!... Recuai,
Petrificai o ódio, ó gentes sanguinárias,
Esse ódio que já vem de entranhas milenárias!?...

Ó olhos que chorais, ó lágrimas ardentes
Das Viúvas, das Mães, das Noivas e Inocentes
Crianças da Orfandade: onde virá a Hora?!...
Quando é que surgirá no mundo inteiro a Aurora
Do Sentimento Puro e Dúlcida Bondade?!...
Quando é que se unirá para sempre a Humanidade
No inefável Amplexo, abraço universal,
Que extinguirá na terra a Peste, a Guerra, o Mal?!...

Ó Supremo Arquitecto, ó Deus de todos nós:
Que venha ao mundo a Paz, que se ouça a tua Voz!
*
*      *
A Araduca revive em seu Poder estranho
A Fundação da Pátria, a altivez de Antanho!

Sobreleva a Bandeira a Torre de Menagem!
Numa ascensão de Luz desenha-se a imagem
Duma Pátria Maior e fala o Chefe ao povo
Enaltecendo a Pátria, a Grei, o Estado Novo!

E o sol rutila mais. o sol tem mais fulgores,
Quando oscula o Cortejo em mil milhões de flores!
*
*      *
Vede as tendas de guerra erguidas nos outeiros!
A trombeta chamou à liça os cavaleiros:
E todos, em acção, erguendo alto a cerviz,
O velho Lidador, D. Paio, Egas Moniz,
D. Rui Gonçalves, Elcha, Hilarião, Froylaz,
Fernão da Maia, o moço intrépido, audaz,
E tantos, tantos mais, armados de aço e ferro,
Vencem era S. Mamede o Conde intruso e perro!...

Depois aclamam Rei o valoroso Infante
Numa alegria doida, imensa, delirante!
É a turba a uma voz: Rial! Rial! Rial!
Por D. Afonso Rei, o Rei de Portugal!

A Araduca revive em seu Poder estranho
A Fundação da Pátria, a altivez de Antanho!
*
*      *
Outro Padrão soberbo: a nossa Independência!
Pertence à Capital! e a sua aurifulgência
O assinala, exalta em rasgos de Firmeza!
— É a Raça que não morre, é a Raça Portuguesa!
*
*      *
Alfim: a Exposição do Mundo Português!
É a nossa História Pátria ungida de altivez!
É um Milagre de funda e rara concepção,
De gosto singular, fervor, realização!
Dum lado o Tejo a abrir à Cruz de Cristo a estrada,
Doutro lado o Mosteiro, a Obra rendilhada
De beleza sem fim! Belém! Santa Maria!
É o conjunto da Luz, do Sonho, da Harmonia!
Conquistas duma Raça, os seus Descobrimentos,
Tudo ali se unifica em grandes Monumentos!
A Luta, o Sacrifício, a Fama, o Heroísmo,
A Alma forte Lusa, o seu Patriotismo!
A humildade da gleba, as casas das aldeias
Beijadas pela luz votiva das candeias!
A maravilha eterna em telas de pinturas,
Um paraíso de Arte em obras de esculturas!

É aí, em cada Sala e vastos Pavilhões,
Que nos falam mais alto os Versos de Camões!
*
*      *

Agora pouco falta... Apenas mais três dias...
A nossa terra vai, num fulcro de alegrias.
Levantar um Cruzeiro, aos céus, com imponência,
Que marcará eterna a nossa Independência!
*
*      *
A Crítica morreu!... Com ela os Comentários
Tombaram um a um... À Luz dos Centenários
Iluminou-se o Senso e hoje é diferente
Do senso repontão, má-língua, irreverente!...
E crítica para quê?!... A casa é arrumada...
A Estação, olhai-a: ao alto, espanejada,
Já nem parece a mesma!... Asseio!... Que limpeza!...
No Castelo não há pedintes nem pobreza!
Aquela linda Igreja, ali, em S. Domingos,
Foi restaurada a bem, sem zangas, sem respingos!...
Mata-Diabos, tem palácios em projecto
De mármore buscado ao monte do Himeto!...
Rua de Gatos foi de novo calcetada,
No bairro de Trás-Gaia a paz é à facada!...
A água, que fartura! há água em profusão!...
Que barata que está a broa..., o nosso pão!...
Tudo vida estuante, é a vida era mil fulgores,
Vida que faz a crise às lojas de armadores!.. s
*
*      *
Gentis tricanas vede o que isto em nós mudou:
O próprio bom humor há muito se abalou
E a verve, conformada, arrecadou as falas,
Fechou toda a alegria e expansão nas malas!...
Tudo se revirou na forma e contrapasso...
A dança é muito outra... A valsa é o calhamaço,
A disciplina a polca e a mazurca o zero...
O estudante de noje é grave! é mais austero!...
Tricanas não estranheis, nem vós, grisettes loiras,
A falta de gracejo, a ausência de tesoiras...
*
*      *
Senhoras, perdoai! O galanteio é breve,
Como uma asita de ave ele esvoaça leve...
É pólen duma rosa a entontecer a brisa,
É linfa sussurrante em fio que desliza...
Coisa subtil, assim: nas pontas dos dedinhos,
Em troca das maçãs, dos pomos coradinhos,
(E ficará apagada a sede de desejos)
Mandai-nos de permuta o mel dos vossos beijos...
*
*      *
Estudantes, alerta! É Nicolau quem manda!
Ele é que vai reger a formidável banda,
Essa banda infernal de bombos e tambores!...
Minerva já assinou as cartas de doutores
Para aqueles que de rijo exibam maçanetas!...
Bacharéis do futuro, Artistas e Poetas:
O que impera na Festa, a Festa deste dia,
É a nossa Mocidade, é o Riso, é a Alegria!...

S. Nicolau é o chefe! Arriba as Nicolinas!
Erguei, erguei mais alto as Capas e Batinas!

Dezembro do Ano Áureo de 1940.
DELFIM DE GUIMARÃES.


Partilhar:

1 comentários:

Pedro Cunha disse...

Velhos e bons tempos.