3 de abril de 2013

Presença de Guimarães na 1.ª Exposição Universal (Londres, 1851)

O Crystal Palace, no Hyde Park, aquando da Exposição Universal de 1851.

Em 1851 realizou-se em Londres a primeira Exposição Universal (Great Exhibition of the Works of Industry of all Nations). Foi inaugurada, com grande pompa, pela Rainha Vitória, no dia 1 de Maio, num edifício expressamente construído para albergar a exposição, que se tornaria num dos ex-libris da arquitectura do ferro, o Crystal Palace, montado no Hyde Park e transferido, depois de encerrada a exposição, para o Sul de Londres, onde, em 1936, seria destruído pelo fogo. Este edifício grandioso causou admiração dos que o visitaram. No dia 15 de Maio, a Revista Universal Lisbonense descrevia o carácter inovador dos materiais com que foi construído:

Os únicos materiais que entraram na construção do Palácio de Cristal são ferro, quer batido, quer fundido, vidro e madeira somente para o sobrado e as paredes do pavimento baixo; o vigamento é de ferro; o tecto e as fachadas superiores das quatro galerias paralelas são de caixilhos de ferro envidraçado e munidos de um sistema particular de ventilação.

Segundo a comissão que se encarregou de organizar a participação portuguesa, a Exposição Universal, “repetida no futuro, será a medida dos progressos da civilização de cada povo, aferida por um meio seguro e insuspeito”. A participação portuguesa foi decidida tardiamente, mas, como se escreveria na Revista Universal Lisbonense, no dia 11 de Setembro de 1851:

Por mais complicada que porventura seja a situação económica de Portugal, cumpre, todavia, confessar que a sua exposição dá positivas esperanças de melhor futuro. Lá estão todos, os elementos de verdadeira regeneração industrial, posto que as amostras expostas sejam muito incompletas e muitos produtos não estejam ali representados.

Do catálogo dos produtos portugueses que participaram na Exposição de Londres de 1851 constavam diversos produtos e produtores de Guimarães, a saber:

634 UM JOGO DE TESOURAS. - Expositor, Manuel José da Silva Cerqueira.
Vila de Guimarães, distrito de Braga, Minho. É obra de expositor feita à mão. É este um ramo de indústria, que há nesta vila em grande escala, e donde se fornece uma parte do reino.
Revista Universal Lisbonense, volume 11, 30 de Outubro de 1851, p. 139
1123 C. BEZERRO. – Expositor e fabricante, Cristóvão José Fernandes de Sousa.
Guimarães.
Revista Universal Lisbonense, volume 11, 6 de Novembro de 1851, p. 196

1165 Caixa de linha fina em forma de flores. – Expositor, um particular.
Guimarães. Minho.
1166 Caixa de linhas finas em forma de flores. – Expositor, um particular.
Guimarães. Minho.
1167 Meadinhas de linha fina para coser. – Expositor, um particular.
Guimarães. Minho.
1168 Uma árvore feita de linhas finas. – Expositor, um particular.
Guimarães. Minho.
Ramo de indústrias do Minho, onde se faz nesse género, obra com toda a perfeição.
Revista Universal Lisbonense, volume 11, 15 de Janeiro de 1852, p. 268

1248 LITOGRAFIA, representando o castelo da vila de Guimarães, na província do Minho.
Revista Universal Lisbonense, volume 11, 22 de Janeiro de 1852, p. 280
Partilhar:

0 comentários: