4 de abril de 2013

Águas férreas de Creixomil

O Tanque no largo de Selho do  Meio (fotografia de O Novo Aquilégio)


No dia 17 de Outubro de 1844, a Revista Universal Lisbonense publicou uma carta enviada por um grupo composto por um farmacêutico e três estudantes de Guimarães em que davam notícia da descoberta de uma nascente de água férrea em Creixomil, cujas virtudes haviam sido atestadas empiricamente, e que submeteram a uma análise, cujos resultados tornavam públicos, em primeira mão, através daquela revista.

Sobre estas águas escreveu o Padre António Caldas, no seu “Guimarães”, que existiam em Creixomil “três nascentes de águas férreas, que se consideram abundantemente mineralizadas: e é para lastimar, que estejam por explorar e quase perdidas. Ainda assim não falta quem delas faça uso proveitoso, desde que foram examinadas por peritos a 6 de Agosto de 1844”. Os peritos eram os autores da carta que veio na Revista Universal Lisbonense, e que a seguir se reproduz:


Águas Férreas de Creixomil
(Carta)
Tendo chegado ao conhecimento dos abaixo assinados o descobrimento de uma água férrea nas vizinhanças desta vila feito por Fernando de Oliveira Guimarães, natural dela, bem como os bons resultados que de sua aplicação empírica a muitas pessoas resultaram, propuseram-se indagar ao menos os seus principais contentos, já que para uma rigorosa análise qualitativa lhe faltavam meios, e oportunidade; e posto que o resultado destes trabalhos haja de ser apresentado à Sociedade Farmacêutica Lisbonense pelo seu sócio, e delegado nesta vila, um dos mesmos abaixo assinados, todavia, para torná-lo mais prontamente público resolveram rogar a V. que houvesse por bem inserir no seu acreditado Periódico a concisa exposição inclusa, esperando que por este meio poderão concorrer, para formarem mais seguro juízo sobre a natureza da mencionada água as pessoas inteligentes, que se tiverem especialmente dedicado ao seu exame.
Guimarães 26 de Setembro de 1844
António Alves da Silva, estudante de medicina. — Domingos Martins da Costa, idem. — Francisco José Pereira Basto, farmacêutico. — António Joaquim Ribeiro Gomes de Abreu, estudante de medicina.
Revista Universal Lisbonense, Volume 4, 1844-1845, 17 de Outubro de 1844, p. 151

O relatório da análise a que se refere a carta que vai acima, está na imagem que se segue (clicar para ampliar)


PS: no site O NOVO AQUILÉGIO encontram-se inventariadas e descritas as águas férreas de Creixomil.




Partilhar:

0 comentários: