5 de junho de 2011

Um largo com muitos nomes e nenhum (1)

  
 O Largo D. Afonso Henriques, numa fotografia da primeira década do séc. XX. Note-se que a Torre da Alfândega (de que falaremos um dia destes, com mais vagar) estava encoberta com publicidade à empresa Neves e C.ª, da rua de Gil Vicente, colocada em Abril de 1906.
(clicar para ampliar)

   
 Outra perspectiva do mesmo Largo, da mesma época.
(clicar para ampliar)

 Largo D. Afonso Henriques, antes da mudança do monumento. Note-se que as "Escadinhas" tinham então uma configuração diferente da actual.
(clicar para ampliar)

A toponímia vimaranense tem tido inúmeras mudanças ao longo do tempo. Disso é claro exemplo o espaço a que se refere as fotografias que vão acima, onde outrora foram o Terreiro de S. Francisco e o Largo de S. Sebastião. Em 1887, com a inauguração da estátua afonsina, foi rebaptizado como Largo D. Afonso Henriques. Com a saída do monumento ao rei Fundador, em 1911, passou a designar-se Passeio da Independência. Em 1918, deram-lhe o nome de Largo Sidónio Pais. Caído o sidonismo, passou a designar-se por Largo Prior do Crato. Quando chegava o Estado Novo, passou a assinalar a instauração da Ditadura Militar, com a designação de Largo 28 de Maio. Depois da revolução de 1974, não foi necessária muita imaginação para lhe atribuir o nome de Largo 25 de Abril, que continua a ser hoje a sua designação toponímica. Para o comum da gente, aquele espaço faz parte do Toural.

Era por ali que, no passado, ficavam a igreja de S. Sebastião (demolida em finais do século XIX) e a antiga Alfândega de Guimarães, na zona fronteira à torre que lhe adoptou o nome, onde hoje se encontra o dístico “Aqui Nasceu Portugal”.
Partilhar:

2 comentários:

Paulo Pinto disse...

Não fora estar com atenção à legenda, diria que a 1ª fotografia parece o Toural....apesar da Igreja estar muito deslocada.

aan disse...

E não andas longe da razão. Para mim, aquilo faz parte do Toural.