29 de outubro de 2010

A CEC2012 e a Comunicação - Uma reflexão que se impõe

 
Nem todos teremos reparado, mas já passaram quatro anos sobre o anúncio de que Guimarães seria Capital Europeia da Cultura no, então ainda distante, ano de 2012. A cidade recebeu a boa nova com assombro não disfarçado e manifesto encantamento. Um dos responsáveis pela selecção das cidades capitais da cultura, Robert Scott, classificaria a indicação de Guimarães como uma "oportunidade fantástica" para a cidade. Guimarães fez questão de dizer que não a iria desperdiçar. A mobilização foi instantânea. Antecipando o chamamento geral, os vimaranenses disseram presente. E, desde logo, ia ficando claro, no discurso dos responsáveis, que se evitariam erros passados.

Por aquela altura, alguém notou que a verdadeira dimensão do sucesso de 2012 só se avaliaria quando, com distanciamento bastante, porventura em 2020, olhando em volta, se perceber o que a Capital Europeia da Cultura terá mudado em Guimarães. Ainda estamos longe dessa avaliação que, estou certo, será francamente positiva. Agora, é o tempo para fazer o que faz falta ser feito para que, no futuro, 2012 fique registado, à imagem de 1884, como um momento de viragem na história da nossa cidade. O comboio já está em marcha, o tempo é escasso e ninguém deve ficar de fora, porque todos fazemos falta.

Não sendo tempo para avaliações, este pode ser um momento para acertar agulhas, perceber o que funciona e o que não funciona, afinar estratégias e reorientar o rumo.

Se há matéria que vai provocando inquietações e perplexidades a quem observa com suficiente distanciamento, situa-se no plano da comunicação. A praxis de comunicação da CEC parece ter uma orientação desarticulada, funcionando, quase sempre, por impulso, em cima do joelho, sem estratégia nem linha de rumo definida. Não é compreensível que, com o orçamento de que dispõe, a comunicação da Capital Europeia da Cultura funcione em bases próximas do amadorismo, no sentido menos nobre da palavra.

Olhando para o que se conhece do que está a ser feito, verifica-se que, em geral, o conhecimento público é muito escasso. Dá ideia de que a visibilidade e a transparência não são preocupações presentes na organização da CEC. Se não se conhece, não será porque não esteja a ser feito, mas simplesmente porque não chega ao conhecimento. Porém, passe o lugar comum, o que escapa ao conhecimento é como se não existisse. Salta aos olhos que a CEC tem um problema de comunicação, em geral, e de comunicação e partilha com Guimarães e os vimaranenses, em particular.

Atentemos os principais momentos de visibilidade pública ocorridos até hoje, desde que ficou definido o modelo de governo da CEC, com a criação da Fundação Cidade de Guimarães, em meados de 2009:

1. Apresentação oficial da Capital Europeia da Cultura (sessão solene no CCVF e espectáculo multimédia na Praça da Oliveira), a 14 de Julho de 2009: teve repercussão assinalável, tanto nos meios de comunicação nacional e local, como na mobilização dos cidadãos.

2. Conferência de Eduardo Lourenço, na Sociedade Martins Sarmento, a 23 de Janeiro de 2010: organizada em cima da hora, sem divulgação local, não se chegou a perceber se era de acesso público ou por convite. Foi notória a presença de inúmeros convidados vindos do Porto e a ausência de pessoas de Guimarães, que se sentiram esquecidas. Uma oportunidade perdida, naquela que tinha tudo para ser uma excelente iniciativa de apresentação pública da FCG à cidade.

3. Apresentação da marca da CEC, no Centro Histórico, a 28 de Julho de 2010: para além de notória descoordenação, a iniciativa não foi capaz de mobilizar a adesão do público, facto que não será alheio o momento escolhido. Conhecendo um pouco melhor a realidade vimaranense, não era preciso muito para dar àquele evento uma visibilidade significativamente maior entre a população: bastava fazê-lo coincidir com um dos momentos fortes das Gualterianas, que estavam à porta.

4. Campanha publicitária, a nível nacional, com anúncios que mostravam uma praia algarvia vazia no Verão de 2012, durante o mês de Agosto de 2010: se a ideia era provocar polémica, a campanha terá sido um sucesso. Todavia, uma vez que não afirmava o que pretenderia promover, a campanha não promoveu absolutamente nada. Falou-se dos anúncios, é certo, mas não pela afirmação positiva da CEC, apenas pela polémica desnecessária e inútil, muito ao gosto da silly season.

Não deixa de ser esclarecedor que o único momento de partilha pública da CEC com a cidade em que a comunicação funcionou bem (a apresentação de Julho de 2009), tenha acontecido antes da entrada em funcionamento da FCG, tendo sido assumida, com reconhecida competência, pelo sistema de comunicação da Câmara Municipal. Se essa estrutura existe, está bem oleada e se funciona, porque é que não é chamada a colaborar na divulgação da CEC, pelo menos até que a FCG consiga montar uma máquina capaz de dar resposta cabal à exigente tarefa de bem comunicar? Aliás, não se chega perceber qual possa ser a necessidade de duplicar meios para que as coisas não funcionem melhor do que antes.

Na ausência de uma estrutura de comunicação eficaz, até actividades desenvolvidas por áreas da programação da CEC que estão a fazer um trabalho no terreno reconhecidamente positivo, acabam por ver diminuído o seu impacto. É o caso das iniciativas da área de Comunidade: as suas actividades de aproximação à cidade, como as exposições realizadas no Paço dos Duques e no Estádio, ficaram longe do alcance público que mereciam, porque não chegaram atempadamente ao conhecimento da generalidade dos eventuais interessados. Deve apostar-se num esforço de maior abertura à população, mesmo em iniciativas que têm como principal destinatário um público específico. Não será um desperdício de meios e de oportunidades, por exemplo, trazer a Guimarães alguém com a dimensão de Cláudio Torres, para o pôr a falar para uma sala repleta de cadeiras vazias?

Nos tempos que correm, é vital a utilização da Internet como veículo de comunicação institucional. Trata-se de um meio de acesso universal, ágil e de actualização permanente. As páginas web são, cada vez mais, os rostos das instituições. Acontece que a página de Guimarães 2012 dá uma imagem muito pobre do que poderá vir a ser a Capital Europeia. Quem a ela aceda, no momento em que escrevo, lerá, por exemplo, o anúncio de que nos próximos dias 16 e 17 de Outubro (em 2011, portanto) decorrerá o "Fórum Guimarães - Uma Alma para a Europa". Sucede que esse evento ocorreu em 2009. Um jornalista que ali procure informações, apenas encontrará, no espaço reservado à imprensa, um texto em latim, sem sentido. Se descarregar o único documento que se disponibiliza, será confrontado com uma fotografia intrigante de duas jantes de automóvel. E o resto não é mais animador: na agenda, encontra zero agendamentos; na área de clipping (recortes de imprensa) a notícia mais recente que encontrará tem a data de 19 de Outubro de 2009.

Recentemente, ficou claro que, na FCG, no que toca à comunicação com a cidade, ainda persiste um incompreensível desconhecimento da realidade local. Tendo Guimarães uma assinalável densidade de órgãos de comunicação, diversos nos meios, nos públicos e nas orientações, a assinatura de um protocolo de parceria com um único grupo de comunicação apenas poderia ter uma consequência: despertar o descontentamento, a desconfiança e a animosidade de quem ficou de fora. Conhecendo a realidade vimaranense, só alguém muito ingénuo poderia imaginar algo de diferente. Em Guimarães, qualquer pessoa de boa fé diria que uma iniciativa como aquela seria um tiro no pé, com efeitos contraproducentes no objectivo de ganhar aliados para a mobilização da população. O que leva a concluir que a FCG, no que toca à comunicação, poderá estar a funcionar em circuito fechado e que, porventura, não andará bem aconselhada.

Uma estrutura formal de acompanhamento do processo de programação, composta por entidades externas à FCG, conhecedoras da realidade em que nos movemos, cuja criação está, aliás, prevista no programa apresentado em Bruxelas, poderia contribuir para a prevenção de passos em falso dispensáveis.

É certo que o tempo urge, mas ainda é possível acertar a agulha. Para tanto, não é preciso inventar nada. Bastará levar à prática aquilo que também está previsto no documento de candidatura ao título de Capital Europeia da Cultura: criar uma equipa de comunicação ágil e eficaz, de inquestionável experiência e profissionalismo, e gizar, com recurso a "um conjunto de peritos e especialistas", um plano de comunicação que, em todos os momentos do processo, transmita "uma única imagem de projecto – um projecto emblemático, que se assume como capitalidade e com impacto a longo prazo". Esse plano deverá ter entre as suas preocupações a de "favorecer o contacto, a aproximação e a participação activa das forças vivas locais no desenvolvimento da execução do evento". Até ao momento, não é visível que o plano de comunicação da CEC exista. Se existe, não funciona. Não será por falta de tempo, nem de orçamento.

A cidade e os cidadãos têm que voltar a ser ganhos para o objectivo de 2012. É preciso acrescentar, ao orgulho de ser de Guimarães, o sentimento de pertença à Capital Europeia da Cultura. É urgente investir na comunicação, feita com imaginação, criatividade e inteligência, para envolver neste desígnio colectivo entusiasmante o nosso património mais valioso: as pessoas.

Uma última nota. Na passada sexta-feira assisti à reunião de associações locais onde foi apresentado o programa "Tempos Cruzados", que visa agregar as contribuições do movimento associativo de Guimarães para a CEC. A certa altura, dei-me conta de que, em diversas intervenções, havia referências a "eles", aos que estão "lá em cima", e a "nós". "Eles", os de lá de cima, eram os responsáveis da FCG, instalada no Monte Cavalinho. "Nós", os de cá de baixo. É esta uma das ideias que as boas práticas de comunicação devem desfazer rapidamente. Aqui, não deve haver nós, nem eles. A CEC é de todos. E todos não seremos demais.


[Texto publicado no Notícias de Guimarães, edição de 29 de Outubro de 2010]
Partilhar:

6 comentários:

Ana C. disse...
Este comentário foi removido pelo autor.
Ana C. disse...

Dei uma volta pela net. Encontrei inúmeras referências à polémica dos vencimentos principescos da Fundação Cidade de Guimarães. Aqui ficam algumas, cuja leitura (não esquecer os comentários) pode ser muito instrutiva:
Nomear rapazes e raparigas

Continuação da aula anterior - vai-se a ver e não é nada

Vai-se a ver e até é alguma coisa

Guimarães 2012 gasta 1,3 milhões de euros por ano em salários

Capital da Cultura 2012 reduz vencimentos que chegam a 14300 euros

Cultura da mentira

Salários caem na Fundação

Deixem-nos em paz!!!

Mais Pobrezinhos, mas não envergonhados

A corrosão na ética

FUNDAÇÃO Cidade de Guimarães

Orçamento zero

Não nos falta motivo para ficarmos preocupados, pois não? Até porque em Guimarães não estamos habituados a que as coisas desçam a este nível. Foi preciso vir esta gente de fora para nos envergonhar.

aan disse...

Dou-lhe razão:quando as coisas chegam ao nível do que aparece em vários dos textos para que nos remete (especialmente nos comentários que geraram), não faltam motivos para nos preocuparmos. Até porque não podemos permitir que uma oportunidade única para Guimarães como a CEC possa entrar num processo de erosão por força da especulação que se está a gerar.

Rui Silva disse...

Subscrevo o texto sem retirar uma vírgula. E ainda estamos a tempo de "eles" descerem a rua e virem ter connosco.

Anónimo disse...

Está toda a gente indignada com os salários (não é que eu não esteja), mas pelo menos esses são públicos. Parece-me bem mais grave que o director de projecto da CEC 2012 seja sócio da Opium (www.opium.pt)e que adjudique à sua própria empresa projectos, ou será que isto não é uma incompatibilidade? se calhar no final de contas ainda ganha mais que a presidente.

aan disse...

Caro anónimo das 19:35,

Começo por notar que este espaço não é, nunca foi, vocacionado para a pessoalização das matérias que aqui se tratam.

Na polémica em curso, que vai rodando como uma bola de neve, não têm faltado referências injustas. Eu próprio tive a "honra" de me ver colocado em supostas listas de "boys for the jobs" da Fundação Cidade de Guimarães, como se estivesse a fazer fortuna com as senhas de presença nas reuniões do Conselho Geral da FCG (que, aliás, revertem para a instituição que ali represento). O mesmo direi em relação aos ataques de que tem sido alvo Jorge Sampaio, que tem tido um papel notável na condução dos trabalhos do CG da FCG. Parece-me que o que se diz de Carlos Martins irá no mesmo sentido: tanto quanto sei colaborou, com a sua empresa, no processo da candidatura de Guimarães a CEC que foi apresentado a Bruxelas, e em eventos promovidos pela CMG, anteriormente à sua colaboração com a FCG (que, à altura, nem sequer existia). Pelo que me é dado saber, a sua ligação profissional à FCG não envolve a Opium e desconheço por completo qualquer adjudicação da FCG à sua empresa.