24 de agosto de 2010

As cutelarias de Guimarães em 1900


Produtos de cutelaria vimaranense (ilustração da obra La Coutellerie depuis l'origine jusqu'à nos jours...). 
Toque na imagem para ampliar.

Na obra La Coutellerie depuis l'origine jusqu'à nos jours, la fabrication ancienne et moderne, par Camille Pagé, impr. de H. Rivière (Châtellerault), 1896-1904, Partie 5,Tome 6, páginas 1299 a 1301, encontram-se referências à indústria de cutelarias de Guimarães:

 
"Guimarães, cidade de 8.205 habitantes no norte de Portugal, a 39 km do Porto. É a única localidade de Portugal onde a cutelaria tem tido um certo de desenvolvimento.

A cutelaria de Guimarães teve um momento alto no século XVII, ao mesma tempo que as outras cidades de Espanha, quando Portugal fez parte do reino Espanha.

Cutelaria moderna. - Actualmente, a cutelaria de Guimarães está estabelecida em pequenas oficinas, tanto no interior da cidade como nas aldeias dos arredores.

As oficinas compreendem de dois a dez trabalhadores e os patrões trabalham com os seus trabalhadores. Estima-se em 150 o número de patrões e em cerca de 430 o dos trabalhadores.

O valor da produção é estimado em 300 mil francos, aproximadamente.

A instalação de cada oficina é extremamente simples, os instrumentos utilizados são: a bigorna, a forja do sistema antigo, o martelo, a prensa de ferro, a lima, a mó de amolar e a roda de polir manual.

Nestas oficinas fabricam-se garfos finos e ordinários, facas finas e ordinárias, cutelos, facas de cozinha, tesouras, machados, foices e canivetes.

Todos os objectos possuem a marca do fabricante.

Oficina de cutelaria vimaranense (ilustração da obra La Coutellerie depuis l'origine jusqu'à nos jours...). 
Toque na imagem para ampliar.

Damos a lista dos principais fabricantes de cutelaria de Guimarães, na época actual (1900):

Manuel José da Silva, Domingos Calçada. Francisco José, Joaquim Antunes, Rodrigo da Silva; J. L. Pereira, Jerónimo de Freitas, José Francisco Trades, Manuel de Freitas, Domingos Doceiro Rabiços, Miquel de Pina, Laranio.

Encontram-se alguns dos nomes que mencionados no século XVIII. Procurámos alguns objectos de cutelaria de Guimarães, graças a à bondade do Senhor o Cônsul de França para Porto.

(…)

Salário dos trabalhadores. - O salário dos trabalhadores cutileiros de Guimarães varia entre 2 fr. 50 e três fr. 35 por dia, e o dos ajudantes entre 1 fr. 10 e 1 fr. 65.

Aqueles que fazem garfos são menos bem pagos; os mestres ganham 1 fr. 65 por dia com uma tigela de sopa, mas fazem-lhes uma pequena dedução pela deterioração das ferramentas. Os trabalhadores ganham de 0 fr. 70 a 0 pt. 80 por dia."
Partilhar:

0 comentários: