15 de junho de 2010

A Árvore de Jessé


A Árvore de Jessé da Colegiada de Guimarães, segundo António de Azevedo (Clicar na imagem para ampliar)

O frontão da Colegiada tem sido objecto de muita discussão. Muito se tem falado acerca da rosácea que iluminaria o interior da igreja, a partir do janelão sobreposto ao pórtico. Vários autores têm afirmado a sua certeza quanto à sua existência em finais da Idade Média, mas nenhuma evidência documental a suporta. O Padre Caldas escreveu, em 1881, no seu Guimarães, Apontamentos para a sua história:
A famosa e elegante janela gótica, rasgada sobre o portão do templo; e que nos seus arcos ogivais, com estátuas, peanhas, baldaquinos e festões, oferecia uma admirável moldura a um grande espelho - por onde a luz se coava através das pinturas dos vidros, e dos mil variados lavores esculpidos em pedra - também, noutra ocasião nefasta, havia sido barbaramente alterada pelos reformadores: os quais - vendo talvez quebrados muitos destes vidros coloridos, e despedaçadas algumas partes daquelas formosas esculturas, que lhes serviam de caixilho - entenderam para si, que o melhor modo de restaurar o magnífico espelho, era aplicar-lhe o camartelo - deitá-lo abaixo - e substituí-lo por uma parede de cantaria lisa, com quatro óculos envidraçados, desiguais na circunferência, e desgraciosamente colocados!
(António José Ferreira Caldas, Guimarães (Apontamentos para a sua história), Guimarães, Sociedade Martins Sarmento e Câmara Municipal de Guimarães, 1996, pp. 273-274)
O que se sabe de certo é que aquela parede estaria emparedada em meados do século XVI, provavelmente com um aspecto próximo daquele que hoje apresenta e que lhe foi aberta, no meio desse século, uma janela circular, a que foram acrescentadas, cem anos depois, duas frestas ovais.
Em 1909, num artigo sobre a Arquitectura em Portugal, João Barreira escreveu:
Da primitiva construção restam apenas a fachada e os arcos interiores, aquela enriquecida por um belo portal, acima do qual se rasga uma janela fortemente escavada na frontaria, e que constituiria um originalíssimo exemplar do gótico flamejante se o personagem que agora se encontra voltado para o interior da igreja é com efeito Jessé, do qual devia irromper em maravilhosa dicotomia, pelo vão da vasta ogiva, a árvore genealógica da sua descendência.
(Notas sobre Portugal, vol. 2, Imprensa Nacional, Lisboa, 1909, pp. 220-221)

Em 1956, o escultor e historiador de arte António de Azevedo retomou a hipótese avançada por João Barreira e, num opúsculo intitulado Santa Maria de Guimarães – Um problema de toponímia e arquitectura artística sustenta, dando-a como segura, a hipótese de a escultura que representa Jessé (actualmente em no Museu Alberto Sampaio) ter estado originalmente voltada para o exterior e colocada na base da janela do pórtico da igreja, estando na base da representação da sua descendência, elemento muito representado na iconografia cristã, nomeadamente em Portugal. A ilustração que encima estas notas é um interessante ensaio de recriação de António de Azevedo do janelão do pórtico da igreja da Senhora da Oliveira de Guimarães, que aparece na capa do seu opúsculo.

Partilhar:

0 comentários: