Uma questão de pronúncia




Podia trabalhar em qualquer lugar do Mundo (e, vendo bem, até é o que faz), mas escolheu ficar em Portugal, numa aldeia de Guimarães que poucos sabem apontar num mapa. É o mais destacado dos cientistas portugueses e sabe-o. Um dia, perguntaram-lhe se era o Mourinho da ciência, e ele não teve dúvidas em responder que sim. E eu direi que não, porque creio que a pergunta foi feita ao contrário: deviam ter-lhe perguntado se o Mourinho é o Rui Reis do futebol. Apesar da idade (vai nos 50 redondos) é, apenas, o mais destacado cientista português, o que tem mais publicações, prémios e distinções internacionais. Ainda há dias, recebeu em Londres o “Harvey Engineering Research Award”, um dos mais prestigiados galardões científicos, a nível mundial, na área da Engenharia, que lhe reconheceu o “notável percurso de investigação e impressionante recorde de publicações”. Este Março ainda não tinha acabado, estava em Malabo, na Guiné Equatorial, para receber o Prémio Internacional UNESCO de Investigação em Ciências da Vida 2017, que destaca a relevância e o impacto internacional da sua investigação científica. Foi aplaudido por “vários chefes de Estado, vice-presidentes, primeiros-ministros, director-geral da UNESCO, mais de 40 embaixadores e delegações nacionais” e… “nenhum representante oficial de Portugal”. Registou a ausência e, com uma chispa de ironia, justificou-a. Afinal, “a ciência e o Minho são tão enfadonhos e irrelevantes”… Fosse a ciência dele aquela que pensa com os pés (e, acredito, ele nem desdenharia se o fosse), não lhe faltariam naquela hora de consagração internacional os aplausos das mais altas instâncias nacionais. E, creio bem, lá estaria o Senhor Presidente da República, o que diz que quando os portugueses são bons, são os melhores do mundo, a pedir-lhe para tirar um selfie com ele. Há, manifestamente, um problema com Rui Reis. É que ele teima em não falar com aquele sotaque que emudece as vogais mudas, tão característico da L’sboa capital do Império. O problema de Rui Reis é a pronúncia do Norte.

Sem comentários:

Com tecnologia do Blogger.