28 de abril de 2017

Ruas antigas: o Atalho da Caldeiroa

Troço do Atalho da Caldeiroa

Hoje, o bairro de Couros está separado da rua Caldeiroa pela muralha de pedra que sustenta o aterro que suavizou a diferença de cotas entre o actual largo Bernardo Valentim Moreira de Sá e o Monte Cavalinho, onde está a estação do caminho-de-ferro, para rasgar a avenida do Comércio, a Avenida Nova, que hoje conhecemos por avenida D. Afonso Henriques. Nos dias que correm essa separação é ainda mais severa, por força do encerramento dos portões de ferro que dão acesso ao arco que se rasgou para dar passagem de Couros para a Caldeiroa. Até ao final do século XIX, essa separação não existia, persistindo, pelo contrário uma continuidade espacial que nos permite dizer que o bairro de Couros se prolongava até à Madroa. E lá estão, ainda, em vários locais, os pelames (tanques de curtimenta) a demonstrá-lo.

A ligação de Couros à Caldeiroa era assegurada por um caminho estreito, que seguia pela margem Norte do ribeiro, que ainda hoje existe. Começa nas Molianas (actual rua da Liberdade), atravessa a rua Caldeiroa, segue pela travessa da Caldeiroa e vai acabar quase ao chegar ao actual largo do Cidade, no ponto onde a rua de Couros converge com o rio. Na planta de 1863, o engenheio Almeida Ribeiro deu-lhe o nome de atalho da Caldeiroa.

Partilhar:

0 comentários: