Avançar para o conteúdo principal

Carta às senhoras de pura e fina raça, escrita pelo Diabo

A entrega das maçãs (foto de Guimarães2012)

Em 1898, João de Meira, então com 17 anos de idade, fundou em Guimarães A Parvónia, um jornal de arte e crítica, que deu que falar, pela sua irreverência. Dele já aqui falamos, e a ele voltaremos. Para já, aqui fica um texto de  A Parvónia, em que, assinando com o nome do demo, João de Meira se dirige às moças de Guimarães, para lhes dar um par de conselhos, entremeados por trechos de pregões de Bráulio Caldas e de versos de académicos de inspiração inflamada.


Carta a
Vós senhoras de pura e fina raça
(acerca das festas a S. Nicolau)
Venha conversar um pouco convosco.
Damas de Guimarães, mimosas flores-de-Liz,
falar-vos de um assunto mais velho do que o pecado, porque antes que Eva pecasse de parceria com Adão, já a maçã pendia da árvore fatal. E é justamente, acerca da maçã, o fruto que a vossa boca rosada aromatiza e morde, que necessito de vos dizer estas coisas de nenhum modo banais.
Eleitas do Senhor... damas de Guimarães,
a aceitação de ofertas implica gratidão aos oferentes.
Aceitando as maçãs contrahis uma obrigação, ficais em dúvida para com os académicos que vo-las oferece- ram
Gomo pagais essa dívida? Como vos desembaraçaes dessa obrigação? Que lhes ofereceis em troca? O vosso amor?
Tendes acaso amor suílicienle para todos os que passarem cavalgando sob vossas janelas e voltados na sela vos oferecerem maçãs?
Eu não duvido, não, que o vosso amor,
Donzelas, ó rivais da Aurora a despontar,
chegue para todos os garbosos académicos que metamorfoseados em pajens, em tunos, em pachás e outras figuras carnavalescas, vos brindam com o fruto em questão, mas peço licença para vos recordar que esse amor, essa ternura infinda não deve ser distribuída em rações como o pão dos pobres de Santo António.
Convindo porém em que de um só aceiteis com uns restos de atavismo, com uma predisposição que remonta a Eva, a maçã oferecida, quero ainda prevenir-vos de que muitos desses académicos vestem sotaina negra, cor dos corvos e da alma de muitos deles e decerto a nenhuma de V. Exas. convém a posição de Hermengarda de Euricos tão prosaicos e tão saturados de latim.
*
Vós que tendes um altar no peito dos rapazes,
recebestes um soneto das mãos de um académico, mas ignorais que o prazer de ver a poesia em letra redonda e de vo-la ofertar, custou ao vate o amolgamento diário das costelas de há tempos a esta parte.
Vós que tendes mães que vos adoram, vós que sois todas bondade, ignorais o que seja um parente tirano incapaz de compreender os altos destinos reservados ao poeta que vai rabiscando sonetos nas páginas brancas de um compêndio.
Frustrado intento, o de querer vedar com tareia as torrentes de poesia que lhe irrompem do cérebro anormal.
Quando um homem sente em si o fermento de três Petrarcas num arcaboiço de Camões, é im-possível abafar-lhe com palmatoadas os gritos de Génio, porque o Génio, minhas senhoras,assim como a Asneira, rebenta quando é comprimido. Aquele soneto era uma explosão. De Génio? De Asneira? Permiti-me que não entre em averiguações de tal ordem.
Intitulava-se — A VÓS... Desconfio que o titulo acoberte uma insinuação malévola; temo que chamando-vos “avós”, queira chamar-vos velhas.
………………. Damas, rolas gemedoras
Que voais ao nosso lado sedutoras
guardai o soneto, bem estimado, na caixinha de cartonagem onde conservais os sabonetes e os lenços bordados, guardai-o que ele representa muito lágrima, muita tareia e pedi a Um chamado Deus que se compadeça de uns de cérebro anómalo como o poeta.
*
Recebestes também
Epopeias do Azul com versos do luar,
de um outro académico três quadras que rematam:
Quero dar-te a minha vida
E por ti quero morrer
Não sei se V. Ex.as estão dispostas a deixá-lo imolar-se para remir os pequeninos pecados que por acaso tenham. Mas se tal vão fazer, eu lhes rogo, suspendam o sacrifício inútil. Suspendam, visto o poeta-académico não ser cordeirinho puro que se possa imolar a Jeová,ou bode expiatório sobre o qual possam V. Exas. descarregar suas culpas.
*
Houve ainda um terceiro poeta que não contente com sua invejável posição de mamífero placentário da ordem dos primatas, vos disse, minhas senhoras, pretender ser transformado em flor, à semelhança de Jacinto. Foi um modo encoberto de pedir que o tragam ao peito; há nos versos uma saudade dos tempos em que o vate tinha ama.
*
Digam-me V. Exas. que eu quis fazer paradoxo, e digam-me eles, os académicos, que também eu, um dia, afivelei a mascara de veludo negro e de chapéu de dois bicos, sapato de fivela, em traje de tuno compostelano, fiz aquilo que hoje, se não acho ridículo, ao menos me parece, velho e sem significação; digam-me isto que eu responderei apenas:
— É verdade, e não fiz uma asneira. Fiz uma criancice.
Todos esses maviosismos que pedi emprestado à lira de Bráulio Caldas tiveram por fim adoçar as rudezas do meu carácter de Diabo e pôr nesta carta umas tonalidades melífluas muito convenientes a quem, como eu, vem conversar com senhoras.
O Diabo
[João de Meira]

A Parvónia, Guimarães, 5 de Janeiro de 1899

Comentários