Avançar para o conteúdo principal

Subsídios para a compreensão do conflito entre Braga e Guimarães (4)



[continua daqui]

Os estudos estatísticos sobre a população portuguesa do início do século XIX demonstraram que a sua distribuição era muito desigual ao longo do território, sendo o Minho, de longe, a província onde se registava uma maior densidade populacional: quase 100 habitantes por quilómetro quadrado. A segunda província mais densamente povoada, a Beira, não chegava a metade daquele valor, correspondendo a densidade de todo o território de Portugal Continental a um terço do grandeza do Minho. Em 1805, dois engenheiros do exército, João Manuel da Silva, e José Carlos de Figueiredo, procederam ao levantamento da população portuguesa e da sua distribuição do território, com o propósito de apurar se a distribuição do recrutamento para o exército era feita com equidade. Desse trabalho resultaria uma proposta de divisão do país em 24 distritos, cada um com aproximadamente 120.000 habitantes. Essa proposta nunca chegou a ser aplicada.
Como já vimos, ao encerrar o século XVIII o território da província do Minho distribuía-se por sete comarcas. Eram elas as seguintes, ordenadas pelas suas populações, da maior para a mais pequena: Porto, Guimarães, Viana, Barcelos, Penafiel, Braga e Valença. O quadro que publicamos acima saiu no tomo X dos Annaes das Sciencias, das Artes e das Letras, publicado em Paris, em 1820, com dados de 1798. Por ele se pode perceber que a comarca de Guimarães estava, em quase todos os indicadores (com excepção dos recolhimentos e conventos de freiras), substancialmente acima de Braga. A sua população. Por exemplo, quase que triplicava a da comarca de Braga (na verdade, triplicava mesmo, uma vez que este quadro não inclui as terras que, pertencendo a comarcas do Minho, se situavam fora do território minhoto (Guimarães tinha-as, assim como Barcelos e Porto, mas não Braga).
Por aqui se entende facilmente que Guimarães, que era cabeça da segunda maior comarca do Minho, não aceitasse de bom grado ficar na dependência administrativa de uma das mais pequenas.


Comentários