Avançar para o conteúdo principal

As Poesias de António Lobo de Carvalho (59)

Ao mesmo, por ocasião de uma Função que fez em Sacavém, constou de festa de Igreja, touros etc, querendo ele mesmo ser o Pregador, pediu licença ao Patriarca Saldanha, que lha não quis conceder, porém o Talaia mandando preparar uma cela ridiculamente armada, recitou nela um Elogio a El Rei D. José, a quem se dirigia a dita função.


Pregaste meu Jan-Dias gentilmente,
Contricto Sacavém assim o abona,
E a plebe excommungada então chorona,
De pranto fez no Tejo horrenda enchente.

Julgaram ser da Prédica insipiente
Quem de lança e Cavalo só blazona,
Mas em textos de Rego, Paiva e Pona,
O que aos burros se faz, fizeste à gente!

Duro freio puseste a esse malvado
Saloio, que mudando hoje de trilho,
Pregador te acredita, jubilado.

O que me resta agora é se te pilho
Nas têmporas que vem, feito Prelado

A dar Ordens menores a teu Filho.

Comentários