14 de maio de 2013

De como Santo António castigou a um ladrão, que o queria roubar, e suou

Milagre de Santo António, painel de azulejos da igreja de S. Francisco de GUimarães


O milagre que deu origem à Festa do Ladrão, que se celebrava na igreja de S. Francisco a cada 29 de Abril e que assinalava um milagre que terá ocorrido naquele dia do ano de 1710, e que já contámos aqui, não era, afinal, um milagre, mas sim dois: o castigo do ladrão e a imagem de Santo António a jorrar água por um braço. Estes milagres, como muitos outros, são contados por Boaventura Maciel Aranha, de Braga, na sua obra Cuidados da morte e descuidos da vida representados nas vidas dos santos e santas, dos Varões ilustres em virtudes e Veneráveis Servas de Deus, que como refulgentes astros, e luzidíssimos Planetas, esmaltaram o Etéreo firmamento da Igreja Lusitana.
Aqui ficam:


De como castigou a um ladrão, que o queria roubar, e suou

Na Vila de Guimarães intentou um Manuel Dias, natural do Bispado de Coimbra profanar o sagrado da Capela, em que está colocada uma formosa Imagem de Santo António, ou fosse para roubar-lhe: o que tinha, ou para despojar a Igreja do precioso, como parece mais certo. Está pois fundada a Igreja do Convento de S. Francisco de Guimarães de modo que, para a parte do Norte, fica sepultada na terra em bastante altura, e por esta razão a fresta da Capela de Santo António, que existe da mesma parte, não dista do chão mais do que seis palmos. Pareceu ao ladrão fácil por esta fresta a investidura, porque os ferros dela eram delgados, e consumidos da sua antiguidade; e dando mãos ao empenho, despegou a rede, que defendia a vidraça: porém não prosseguiu, porque a mesma rede, concorrendo superior impulso, o lançou por terra, e o pescou. Por espaço de três varas se foi arrastando debaixo dela, e não pôde mais, porque tinha uma perna fora de seu lugar, cujas dores o atormentavam com grande excesso em competência dos assombros da própria confusão, vendo que o seu pecado seria brevemente a todos manifestado. Desta sorte o acharam certas mulheres, que persuadidas de que algum inimigo dele homem o havia posto naquele estado, tocaram a campainha da Portaria, e acudindo os Religiosos acharam junto da rede um martelo, e um bordão ferrado, que parecia mais instrumento de insultos, que arrimo dos membros, que se lhe deviam supor debilitados na idade de setenta anos que contava. Perguntado enfim o ladrão pelo sucesso, só respondia fora castigo de Santo António. Examinado pelos Cirurgiões, lhe acharam a perna deslocada na coxa, e a noz desta recolhida para a parte de dentro.

A este milagre se seguiu o portento de sair do braço direito do Santo tal corrente de água, que molhando todas as petições, e fitas, que as prendiam ao cordão, ensopou grande parte da toalha do altar, e mais adiante correra, se logo a devoção de inumerável povo, que o presenciara, não aproveitara nos lenços, e em outras prendas estes milagrosos orvalhos, cujas Relíquias obravam prodígios. Tudo se autenticou juridicamente, e celebrou o povo de Guimarães com luminárias, e festas ao glorioso Santo António; e só as tristezas ficaram para o ladrão, que os Padres entregaram à Misericórdia para o curarem no corpo, porém não se descuidaram em lhe procurarem também o remédio da alma no decurso de dois meses que só viveu. Este milagre foi ocasião para que crescesse a Fé nos Fiéis para com Santo António de Guimarães, de sorte, que todos os anos concorria imenso povo a visitá-lo, e a procurar remédio nos seus achaques, e em outras necessidades espirituais, e corporais, e foram tantos os milagres, que fez naquele primeiro ano, que se escreveram em um livro cento e oitenta e duas pessoas, a quem com evidência prodigiosa socorreu; dando-lhes vida, estando já sem ela, ou com opinião de defuntas.

Boaventura Maciel Aranha, Cuidados da morte e descuidos da vida, Oficina de Francisco Borges de Sousa, Lisboa, 1761, tomo I, p. 53
Partilhar:

0 comentários: