8 de maio de 2013

As Poesias de António Lobo de Carvalho (17)


Despedindo-se o Lobo do Conde da Calheta para ir viajar pela província de Entre-Douro-e-Minho.

Vou tentar grande Conde o duro Minho,
Que o Tejo para mim todo é barrento,
E como enfermo, que busca outro aposento,
Dá indícios de que à morte está vizinho:

Vou ter com a terra que produz o linho,
Que as Holandas afronta, e levo intento
De ver se é tão famoso no alimento
Em Melgaço o Presunto, em Ponte o vinho.

As muralhas da pátria, as contrafeitas
Ameixas de conserva açucaradas,
Tesouras, facas tortas e direitas.

Tudo verei, que o ver não custa nada,
Guapas contas Senhor estão bem feitas,
Mas não há um vintém para a jornada.

Neste soneto, também dirigido ao Conde da Calheta, António Lobo de Carvalho anuncia que vai partir para o Minho, a tentar a sua sorte. Não obstante as referências ao presunto de Melgaço e ao vinho de Ponte de Lima, que já à época eram celebrados, é Guimarães que está no pensamento do Lobo: “a terra que produz o linho”, onde estão “as muralhas da pátria”, onde se confeccionam “as contrafeitas ameixas de conserva açucaradas”, que se chamavam “de Guimarães” e eram especialmente apreciadas na Inglaterra, e se produzem tesouras e facas, “tortas e direitas”.

No fecho do soneto, percebe-se que o seu motivo era o do costume…

Partilhar:

0 comentários: