30 de maio de 2013

As Poesias de António Lobo de Carvalho (40)



Acções do Marquês do Pombal mais estrondosas, e amortecidas depois que o mandaram apanhar pés de burro ao Pombal, decifradas no seguinte

SONETO



Erários, casamentos, jesuítas,
Fidalgos, jacobeus, o novo plano,
Fábricas de chapéus, peças de pano,
E almas também no purgatório aflitas:

Guapos jardins, cascatas esquisitas,
E os tonéis, que o Mansilha encheu há um ano,
Tudo são obras do Marquês paisano,
Umas famosas, outras inauditas.

Muitos por honra, e todos com inveja
Lhe beijaram a mão de gral pesada,
Como se fora um copo de cerveja:

Mas ele enfim morreu, sem ser à espada;
Que um boi dos grandes, por feroz que seja,
Recolhido ao touril já não faz nada.
Partilhar:

0 comentários: