27 de maio de 2013

As Poesias de António Lobo de Carvalho (36)

A João Xavier de Matos, estando para sair da sua prisão da Vidigueira, onde era ouvidor pelo Exmo Marquês de Niza.



João não venhas cá, inda que envolto
Vivas dessa prisão no horror profundo.
Tens côdea sertã, e cama em que dar fundo
Não é tão pouco, tuto questo es molto.

Tudo aqui com ladrões anda revolto,
O homem sério com o traste vagabundo,
Que mal sabe as tramóias deste mundo
Quem te dá parabéns por te ver solto:

O Castelo e o Texugo bem fadado
São os dois a quem podes ter inveja,
Com o vinho a oito, com as moças abastado:

Mas disto rirás tu, sempre assim seja.
Depois que estás na serra ou no montado
Do liberal Pastor que reina em Beja.*




* “O Bispo de Beja favoreceu muito o dito Matos”


Partilhar:

0 comentários: