26 de maio de 2013

As Poesias de António Lobo de Carvalho (35)

Ao Soneto que fez João Xavier de Matos, aos anos do Conde Pombeiro, que principia:
O roxo Baco, que espremendo andava,

Soneto

Mais que nunca, por sóbrio, por discreto
Campaste meu João, que o Mês passado,
Algum Deus do Barreiro viste ao lado,
Fosse qual fosse, eu nisso não me meto:

O que sei é que vi um teu soneto
Feito entre Musas, onde tinha andado,
Vinho a três tornos, tudo alvoroçado,
Baco a tombos, Cupido num terceto:

Que morres feito um Cisne, é sem demora
Pois pegando a beber toda a Assembleia,
Começaste a cantar com voz canora:

Isso não é Poesia, é jacobeia;
Quem faz anos, que os faça muito embora,

Bebe tu, não te importe a vida alheia.
Partilhar:

0 comentários: