13 de maio de 2013

As Poesias de António Lobo de Carvalho (22)


Outro do mesmo.




Quem é este peralta reverendo,
Que em verso torpemente nos atroa,
Querendo inficionar toda Lisboa,
Errada, e nesciamente discorrendo?

Quem é, torno a dizer, que pervertendo
Vai da santa moral a lição boa,
Sem que haja um vil tambor, que pise e moa
Os ossos dum tal monstro assaz horrendo?

Quem é que o puro nome de divina
À Zamperina dá sem susto, ou medo
De quem os idiotas mais crimina?

Se quereis o autor saber de tanto enredo,
E um, de honesta cor, talvez da China,
É o negro doutor, padre Macedo.

Segundo soneto que António Lobo e Carvalho dedicou ao padre Manuel de Macedo, que era natural da colónia do Sacramento na América.
Partilhar:

0 comentários: