5 de fevereiro de 2013

Escritores Vimaranenses (2): Agostinho Barbosa



AGOSTINHO BARBOSA, Formado em ambos os Direitos pela Universidade de Coimbra, um dos mais famosos varões que produziu Portugal para crédito e ornato da república literária, como diz o Abade de Sever na sua Bibl. Discorreu pelas principais universidades da Europa, e residiu por alguns anos em Roma, sendo a final nomeado Bispo de Ugento no reino de Nápoles. — Nasceu em Guimarães a 17 de Setembro de 1590, filho do distinto jurisconsulto Manuel Barbosa, e morreu no seu bispado a 19 de Novembro de 1649. — Além das numerosas obras de jurisprudência civil e canónica em latim, cujo catálogo pode ler-se no tomo I da Bibl. Lusit., escreveu a seguinte:

Dictionarium Lusitanico-Latinum. Braccharae Augustae, apud Fructuosum Laurentium de Basto 1611. fol. Consta primeiro de 80 páginas não numeradas, a que segue a numeração por colunas de 1 até 1208, equivalendo a 604 páginas; e no fim vem um “Vocabulário geográfico” que ocupa 15 páginas.


Este vocabulário composto e publicado quando o autor contava apenas vinte e um anos de idade (Diogo Barbosa por uma das suas usuais, bem que desculpáveis inadvertências diz quinze) é entre os da nossa língua o mais copioso de todos, segundo certifica o P. Bento Pereira no rosto do seu Thesouro da Lingua Portugueza. - Não tenho noticia de que jamais se reimprimisse, e os poucos exemplares que dele apareciam à venda corriam, ainda não há muitos anos, pelo preço de 3$000 a 4$000 réis, em bom estado de conservação. Hoje têm decrescido de valor, e chegam pelo máximo de 1$920 a 2$400 réis.

Escreveu mais o sobredito A. Barbosa em castelhano a seguinte, que é de grande raridade e por isso a menciono, posto que dela não tenha visto até agora algum exemplar:

Sumario de la vida y milgaros de S. Filippe Nery, fundador de la Congregacion dei Oratório; razon de su instituto y empleos de los sacerdotes de que la dicha Congregacion se compone. Sem lugar nem ano de impressão. Em 8.° Diz o Abade de Sever que tinha em seu poder, e guardava com grande estimação um exemplar.
 

Dicionário Bibliográfico Português, de Inocêncio Francisco da Silva, continuado e ampliado por Pedro V. de Brito Aranha, Tomo I, Imprensa Nacional, pp. 14-15

Nota: Agostinho Barbosa nasceu, não em 1590, como escreve Inocêncio, mas no dia 17 de Setembro de 1589, em Aldão, Guimarães.


-----------------------------------------
Comentário a este verbete deixado no Facebook, pelo meu amigo Rui Faria:

Tenho dúvidas relativamente à naturalidade apontada, pois à época de seu nascimento os pais ainda não tinham adquirido a quinta de Aldão.
Sabemos que a 6 de janeiro de 1594, a quinta era propriedade de duas donzelas solteiras, as senhoras Ana de Oliveira e sua irmã a Branca Leite, naturais de Braga, putativas filhas de Marcos Fernandes, escudeiro, senhor da dita quinta pelos idos de 1557.
A primeira referência que encontro a Manuel Barbosa como proprietário da quinta de Aldão data de 1601.
O mais provável é que Agostinho Barbosa tenha nascido na vila, numa das várias casas pertencentes à família, fosse na Rua dos Mercadores, na Rua de Valdedonas ou na Rua de Santa Maria.
Embora tivessem residência permanente em Guimarães, Manuel Barbosa e sua mulher a senhora Isabel Vaz, possuíam também casas no Porto, donde esta era natural e que lhes foram doadas em dote e casamento. Aí o encontramos a advogar nos auditórios da casa da relação de Fevereiro a Abril de 1593 e de Fevereiro a Setembro de 1598.
Resta dizer que Agostinho Barbosa era cristão-novo dos quatro costados, com ascendência nos mais ilustres representantes da comunidade Sefardita do Norte de Portugal.


Partilhar:

0 comentários: