10 de fevereiro de 2012

Linguagem popular de Guimarães (1)


José Leite de Vasconcelos


O jovem José Leite de Vasconcelos costumava passar algumas temporadas em Guimarães, onde conviveu com Francisco Martins Sarmento. Das suas recolhas do falar dos vimaranenses, datadas na sua maioria de 1885, resultou o estudo sobre a “Linguagem Popular de Guimarães”, que seria publicado no volume II dos seus Opúsculos (páginas 175 a 261). Para além do estudo da gramática e da fonética próprias do povo vimaranense, deu à estampa um extenso vocabulário, com palavras e expressões típicas do falar vimaranense. Aqui ficam alguns exemplos, da letra A à letra C:

achanzar, aplainar, aplanar.
albazeilha, claro do céu num dia enevoado: “apontou ua albazelha” (=éilha). De alva.
anaio, -a; anaínho, -a: anão, anã.
balaio, gigo.
barado, (=varado), pasmado! “Ficou varado”.
barioso (varioso), variável. “O bento é barioso, bareia por hi aleim” (expressão popular): vento que varia de rumo.
barreleiro, cova donde escorre a água na cozinha.
batucar, bater à porta.
breilho, tijolo (ouvi em Briteiros)
cadabulhar, cavar nos campos o que fica por lavrar (Senhora do Porto)
caganato, cabeçudo (cágado na Beira), girino, na metamorfose da rã.
calcoré (cal-cu-ré), codorniz. Ouvi em Guimarães, Airão, etc. Com essa palavra pretende imitar-se a voz da ave.
carcávias, historietas, pantominices. Frase que ouvi em Guimarães: “o caseiro Braga, que sabe carcávias”.
cerdeira, cerejeira
chumieira, archote de palha.
cotio, “meter a cotio”, quotidianamente, a trote.
cufarte, bastante, muito; comeu cufarte, isto é, em abundância; deu-me cufarte, deu-me bastante.

[continua]
Partilhar:

1 comentários:

Anónimo disse...

"Albazeilha, balaio, barado,barreleiro, cadabulhar, cerdeira e chumieira", ainda são muito usadas pelo pelo na zona de S. Torcato pela genta do campo.
Venham mais.