11 de janeiro de 2011

A implantação República nos jornais de Guimarães (5)


De O Comércio de Guimarães, de 11 de Outubro de 1910

 
"O Comércio de Guimarães"

Não se publicou na sexta-feira passada o nosso periódico por ficar sem efeito toda a matéria que estava composta, relativa ao regime findo.

 
NOVO REGIME

Após dias sangrentos, lutas encarniçadas e heróicas, dias de amargura e ansiedade, foi proclamada a república em Portugal.

Após esse dia que marcará uma era importante em a nossa nacionalidade, as manifestações têm-se repetido pelos adeptos ao novo regime, têm-se içado bandeiras, foi enfim proclamada a República.

Quanto sangue derramado, quantas vidas imoladas, dizem que 3 a 4 mil, quantos esforços heróicos e dedicações sinceras tombadas!...

O novo regime não nos apavora. Nele homens há de valor que lutarão pela salvação de Portugal, a nossa única ambição e assim seja a deles.

O nosso periódico, que defendeu sempre um ideal político nobre e altivo, nunca teve em vista ferir pessoalmente.

Advogava ideias, não atacava pessoas.

A confirmar o que deixamos escrito aí estão os arquivos de 27 anos de existência, aonde, é certo, se travaram questões (algumas bem graves) as quais tratamos sempre com aprumo e lealdade.

A nossa pena nunca se moveu a ódios; procurou edificar e não destruir.

Em frente do novo regime, o nosso jornal nunca se esquecerá de pugnar, como o tem feito, pelos interesses morais e materiais de Guimarães, conservará a sua atitude de defensor dos interesses da Pátria e da Igreja.

Será esta a nossa divisa.

O povo tem-nos encontrado sempre a seu lado, nas lutas que julgamos justas, a seu lado queremos viver.

Tudo nos leva a crer que os vencedores de hoje respeitem a crença dos vencidos.

Que uma nova era de paz caia sobre Portugal e a luz divina alumie os seus filhos, são esses os votos que como portugueses e cristãos fazemos.

Vimaranenses:

Por Guimarães, Por Deus e pela pátria.

 
Proclamação da República

Como em quase todas as terras do país, em Guimarães também houve manifestações de regozijo pelos adeptos do novo regime.

Os republicanos têm sido correctos e bastante moderados nas suas manifestações, não havendo, no meio de tanto movimento, uma única nota discordante.

A não ser vivos comentários, discussões e manifestações, nada de anormal se tem passado em Guimarães.

Algumas casas religiosas têm estado policiadas, o que a nosso ver seria desnecessário, pois cremos que os vimaranenses as respeitariam, pois que todas estão no firme propósito de respeitar e fazer respeitar a lei.

No dia 8 foi solenemente proclamada a República nesta cidade.

Foi içada a bandeira na Câmara Municipal, no meio de vivas à República, ao exército, à Pátria, ao povo português, etc., etc.

O largo fronteiro àquele edifício achava-se repleto de povo, bem como estacionavam ali duas bandas de música e a banda regimental que fez a devida continência à bandeira.

Em seguida também foi içada a bandeira no quartel de Infantaria 20, repetindo-se as manifestações de regozijo.

Alguns dias e noites percorreu as ruas da cidade uma marcha "aux flambeaux", vendo-se à sua frente alguns conhecidos republicanos que entusiasmados soltavam vivas e empunhavam bandeiras republicanas.

Em todo o percurso houve boa ordem, debandando tudo sem incidentes.

Alguns edifícios particulares hastearam bandeiras e iluminaram as suas fachadas.

 
Partilhar:

0 comentários: