28 de dezembro de 2009

Soneto de António Lobo de Carvalho, poeta vimaranense do séc. XVIII


Ilustração do Almanach de Lembranças Luso-Brasileiro Para o Ano de 1860.


AOS AVARENTOS.

Maldito seja, seja excomungado,
Aquele horrendo mísero jarreta,
Que cheia de dobrões tendo a gaveta,
Nem somente um real dá emprestado!

Permitia o céu que a moça e o criado
Algum furto lhe façam com tal treta,
Que o misérrimo vil, como escopeta.
Arrebente de estouro, exasperado!

Veja enfim por castigo derradeiro.
Quando estiver já quase moribundo,
A festa que se faz ao seu dinheiro.

E padecendo as penas do profundo,
O diabo lhe conte quanto o herdeiro
Se regala com ele cá no mundo!

António Lobo de Carvalho.

 [in Almanach de Lembranças Luso-Brasileiro Para o Ano de 1860, Tipografia Franco-Portuguesa, Lisboa, 1859, pág. 344]
Partilhar:

0 comentários: