27 de setembro de 2009

João de Meira, escritor-fingidor (12)

Saber

Saber, filho espúrio da Verdade,
A quem a mãe cruel sempre enjeitou!
Tu que quanto mais cresces em idade
Mais longe vês a mãe que te gerou,

Para que ao começar-lhe a mocidade
Foi que teu hálito rude o bafejou?
Pois para que há-de ele, para que há-de
Cansar um dia que inda não chegou?

De que vale, Saber, o consumir
Esterilmente um ano e outro ano.
Se o tempo tudo há-de enfim delir?

De que vale, Saber, estudo insano,
Se o passado, o presente e o porvir
São engano… são tudo o mesmo engano!

Antero de Quental [aliás, João de Meira, 1911]
Partilhar:

0 comentários: