18 de julho de 2008

Na morte de Alberto Sampaio (notícia do Independente)


A notícia publicada pelo jornal o Independente, de Guimarães sobre a morte e as cerimónias fúnebres do historiador Alberto Sampaio introduz alguns elementos interessantes, a par de pequenas imprecisões, nomeadamente a referência ao seu local de nascimento.


Dr. Alberto Sampaio


Em Vila Nova de Famalicão faleceu na terça-feira passada, vitimado por uma febre tifóide, na Quinta de Boamense, na freguesia de S. Cristóvão de Cabeçudos, o snr. Dr. Alberto da Cunha Sampaio, primoroso escritor e distinto agricultor.

O ilustre morto, que residia no Porto, ia amiudadas vezes a Cabeçudos – sua terra natal – de visita à sua estimadíssima família.

Era irmão do falecido jurisconsulto dr. José da Cunha Sampaio, e tio do nosso prezadíssimo amigo snr. Dr. António Vicente Leal Sampaio, distinto juiz de direito na comarca de Esposende.

Carácter nobilíssimo e trabalhador infatigável, o finado foi um dos maiores propugnadores e cooperadores da Exposição Industrial que se realizou em Guimarães em 1884, podendo dizer-se que foi ele a alma da notável Exposição.

À Sociedade Martins Sarmento, bem como a outras colectividades vimaranenses, também o dr. Alberto Sampaio prestou assinalados serviços.

O dr. Alberto Sampaio, que era uma das nossas mais altas capacidades mentais, deixa dispersa na “Revista de Guimarães”, e noutras revistas e jornais, uma obra literária e histórica importantíssima

Os actos fúnebres realizaram-se anteontem, pelas 10 horas da manhã, na igreja paroquial de Cabeçudos, sendo o cadáver do extinto depositado em jazigo da família no cemitério paroquial daquela freguesia.

Em diferentes turnos que se organizaram de casa à igreja e da igreja ao jazigo, seguraram as toalhas do caixão os snrs.: Visconde de Pindela, Abade de S. Cosme, José de Azevedo Menezes, dr. Sebastião de Carvalho, António José de Sousa Cristino, António Veloso, dr. Pedro Guimarães, dr. Álvaro Ribeiro da Costa Sampaio, Abade de Tagilde, dr. Joaquim José de Meira, cónego dr. Manuel Moreira Júnior, cónego Alberto da Silva Vasconcelos, Álvaro Costa Guimarães, Eduardo M. de Almeida, Jerónimo de Castro, João Gualdino Pereira, por si e como representante do sr. dr Avelino Germano da Costa Freitas, António Leal de Barros e Vasconcelos, José Ferreira Ramos José Francisco Gonçalves Guimarães, Joaquim Malvar, Joaquim Mendes, Álvaro da Silva Penafort e António Barreira.

Por recomendação do finado, o cadáver do morto foi conduzido à mão pelos filhos dos caseiros da Quinta de Boamense, e o caixão foi fechado em casa pelo snr. Dr.,António Vicente Leal Sampaio, sobrinho do falecido.

Por o extinto assim o ter manifestado muitas vezes, não houve convites para o enterro, nem foram depostas coroas no féretro, sendo o funeral foi o mais modesto possível.

Dirigiu o funeral o snr. Joaquim Penafort Lisboa, digno escrivão do 4.º ofício no juízo de direito desta comarca.

O falecido deixou testamento cerrado aprovado pelo notário snr. J. Penafort no qual institui seus universais herdeiros a seus sobrinhos dr. António Vicente Leal Sampaio e D. Henriqueta Leal Sampaio.

Sentindo profundamente o passamento do dr. Alberto Sampaio, enviamos expressivas condolências a toda a família enlutada e especialmente a seu sobrinho, o nosso querido amigo snr. dr. Leal Sampaio.

(O Independente, nº 365, 8.º ano, Guimarães, 5 de Dezembro de 1908)


[Também publicado aqui]

Partilhar:

0 comentários: