14 de dezembro de 2007

O Toural em debate


Parece claro que o debate sobre a intervenção no Toural, realizado no dia 12 de Dezembro na Sociedade Martins Sarmento, introduziu um conjunto de questões que são merecedoras de reflexão, com destaque para as que resultam dos argumentos ali apresentados pelos arquitectos presentes.

Ninguém, a começar pelos decisores políticos, ignora a particular sensibilidade de uma intervenção que se proponha ir para além da mera cosmética num espaço com a dimensão simbólica, histórica e vivencial do Toural. Daí que seja de registar a decisão da Câmara Municipal de Guimarães de submeter este projecto a escrutínio público, assumindo uma postura humildade democrática, inusitada nos tempos que correm, marcando presença e tomando nota das contribuições que vão sendo avançadas. O mesmo se dirá em relação aos autores do projecto, que não se deixam ficar fechadas numa redoma inacessível e se dispõem a contribuir para o enriquecimento do debate, defendendo e explicando as suas propostas.

A iniciativa de quarta-feira passada não encerra o debate sobre o Toural, bem pelo contrário. Pela adesão das pessoas, pelo ambiente que se respirava naquela noite e pelo teor das intervenções que se escutaram, nomeadamente do público, parece-me claro que hoje existe uma preocupação, comungada por muitos vimaranenses, que pode ser sintetizada no receio da Arquitecta Maria Manuel Oliveira, de que se possa estar a propor para o Toural “uma intervenção demasiado invasiva que implica cicatrizes indeléveis”. No final, não faltou quem confessasse que o debate soube a pouco, especialmente por não ter sido dado mais tempo para que o público dissesse de sua justiça. Ora, era exactamente essa a ideia da iniciativa: relançar o debate, abordando o Toural sobre diferentes prismas e introduzindo informação para que os vimaranenses possam formular as suas opiniões, sem que o debate se centre em questões menores e laterais, como a que às árvores se refere.

Quem, no final, decide, já disse que vai ouvir, antes de decidir. Têm a palavra os vimaranenses.

Nos próximos dias, colocarei aqui algumas reflexões pessoais, vertidas currente calamo, sobre o Toural e o que para o Toural se projecta.

Partilhar:

0 comentários: