Avançar para o conteúdo principal

Mensagens

A mostrar mensagens de 2001

Celebrar o Património, com o olhar no futuro

De há alguns anos a esta parte, Guimarães tornou-se num caso de estudo internacional. Um adjectivo tem sido repetido vezes sem conta para classificar a intervenção urbanística no Centro Histórico de Guimarães: exemplar. O esforço desenvolvido foi agora consagrado com a integração do centro Histórico no roteiro da UNESCO dos sítios classificados como património da humanidade. Pelo cabedal de prestígio histórico e cultural de Guimarães, agora consolidado internacionalmente por um organismo da Organização das Nações Unidas, e pelo seu indiscutível vínculo às origens da nacionalidade portuguesa, esta terra tem o direito de assumir a condição simbólica de capital histórica de Portugal. O nascimento da consciência patrimonial vimaranense remete-nos para o último quartel do século XIX, com as intervenções dos homens que viriam a criar a Sociedade Martins Sarmento. Data dessa época a primeira intervenção de restauro que encontrámos documentada em Guimarães: as obras de recuperação da igreja de…

Trinta anos de reconstituições de paróquias

Nos finais dos anos cinquenta do último século, a comunidade científica despertava o seu interesse para o conhecimento dos mecanismos de funcionamento das populações do passado, com a divulgação dos resultados das primeiras reconstituições de família francesas. Inspirada por esses trabalhos, por essa altura, Virgínia Rau propôs ao Centro de Estudos Históricos da Faculdade de Letras de Lisboa um programa para a investigação demográfica portuguesa, que tinha como objectivo a recolha sistemática dos elementos fornecidos pelos registos paroquiais de Lisboa durante o século XVIII, organizando um ficheiro dos assentos dos três tipos de registos: nascimentos casamentos e óbitos. Maria de Lurdes Akola Neto, a primeira investigadora portuguesa a divulgar resultados de estudos de demografia histórica baseados no tratamento dos registos paroquiais, constituiu um ficheiro com quase dez mil fichas de actos vitais registados na freguesia de Santa Catarina, em Lisboa, cobrindo o primeiro quartel do s…

A População de Guimarães no séc. XVI

A aproximação ao conhecimento do estado da população de Guimarães para períodos anteriores ao século XVII é um exercício complicado. As fontes primárias com que trabalha a Demografia Histórica para construir as suas estatísticas - os registos paroquiais de nascimentos, casamentos e óbitos - ou são muito lacunares ou, simplesmente, não existem. E é esta última situação a que mais ocorre, não sendo possível para tempos recuados, a não ser em situações muito concretas e localizadas, o emprego de qualquer metodologia que permita construção de bases estatísticas objectivas e credíveis.Vale-nos D. João III que mandou fazer o primeiro levantamento sistemático da população portuguesa, o “Numeramento de 1527”. Pretendia o rei saber, em relação a cada povoação do território português, “quantos moradores há no corpo da cidade ou vila e arrabaldes e quantos no termo declarando quantas aldeias há no dito termo por seus nomes e quantos moradores há em cada uma delas e assim quantos vivem fora delas…

Memória descritiva da fonte do Toural

FONTE MONUMENTO Memória descritiva do ante-projecto
O critério por nós seguido levou-nos à adopção de formas simples, ricas de expressão e valor decorativo, de modo a conseguir um simbolismo que a História de Guimarães aconselhava e o nosso respeito por essa História e tradição nos impunha. Os elementos preponderantes, na sua composição, são: Obelisco – como padrão comemorativo, sugerindo na sua forma um montante. Estátua– como nota amável, simbolizando a vitória ou independência. Estes elementos nascem de uma grande taça elevada, circundada pela forma forte e sóbria dos escudos. A este conjunto pretendeu dar-se um equilíbrio de composição tal, que exprima a riqueza de verdadeiro «Ex-libris» da cidade, o que julgámos ter conseguido. A água e o granito, como elementos primários, dão-nos a origem; os escudos, a evolução. Na face posterior do obelisco serão aplicadas as Armas da Cidade, em bronze, com a seguinte legenda: «Mil anos gloriosos se passaram». Todos estes elementos ficam desligados d…