Em 1908, Guimarães defende o seu Castelo (2)

O Castelo de Guimarães, numa fotografia do início do século XX.

Em 1908, quando o Castelo de Guimarães estava votado ao abandono, servindo de depósito de pólvora e dormitório de corujas, eram cada vez mais audíveis as vozes que exigiam a regeneração da velha fortaleza que assistiu aos primeiros alvores da nacionalidade portuguesa. A impressa local deu voz a uma campanha em defesa do monumento, em que sobressaiu uma longa série de artigos publicados no O Comércio de Guimarães. Aqui fica o segundo texto da série, publicado no dia 17 de Julho.

~*~
O Castelo de Guimarães
II
Voltemos ao assunto, que não interessa só a esta cidade, mas a toda a nação — a reparação do castelo de Guimarães, um monumento nacional de grande valor estimativo.
Ele aí está, no mais condenável abandono, servindo de depósito de pólvora e dormitório de corujas!
Esse velho monumento, que tantas vezes abrigou o primeiro rei de Portugal, valente como as armas, patriota ao ponto de fazer uma nacionalidade, esfacela-se de ano para ano, por falta de um pequeno gasto do tesouro!
Se vem um visitante ilustre a esta terra, e pergunta por essa relíquia veneranda, mal se lhe pode indicar, porque visitando-a, faria de todos em geral, e em especial dos vimaranenses, a mais triste ideia, como assim já sucedeu uma vez.
Pois é preciso que se diga, que nós o vimos percorrer de extremo a extremo das suas ameias desmoronadas, com os olhos rasos de lágrimas, recordando-se do muito que ele contribuiu para a grandeza da nossa querida Pátria.
“Velhinho, e tão abandonado, tu que foste em novo, valente e destemido.”
“É a ingratidão das ingratidões, nos disse ele.”
 Respondemos-lhe: está da posse do Estado, que se fosse da Câmara, não estaria assim, por certo.
O Comércio de Guimarães, 17 de Julho de 1908


Sem comentários:

Com tecnologia do Blogger.