Avançar para o conteúdo principal

As banhistas deliciosas

Salão de Chá da Praia de Polana, Lourenço Marques, em 1917.
Fotografia pescada no blogue Restos de Colecção

O arqueólogo Mário Cardoso fez carreira como militar. Em 1913, com 24 anos, completou o curso da arma de infantaria na antiga Escola de Guerra. No ano seguinte era alferes. Atingiria o ponto mais alto da sua carreira militar em 1946 quando, já no posto de coronel, assumiu o comando do Regimento de Infantaria 8, aquartelado em Braga. Pelo caminho, prestou serviço no Regimento de Infantaria 20, em Guimarães, no Batalhão de Caçadores 9, em Braga e no Batalhão de Caçadores 3, em Chaves. Durante a I Guerra Mundial, esteve mobilizado nas campanhas de África, primeiro no Sul de Angola e, depois, em Moçambique, onde esteve entre 1916 e 1918. É aí que o encontrámos no início de Dezembro de 1916, provavelmente num período de licença, a gozar do Sol de Verão do hemisfério Sul, e a contemplar, na praia de Polana, em Lourenço Marques, o mar “dum tom azul muito escuro e diferente, o céu onde flutuam gaivotas, planando em curvas serenas, inalteravelmente claro e fluído”, os navios e a admirar as banhistas deliciosas, a citar as “Chansons de Bilitis”. de Pierre Louÿs, e a exclamar que “ o horror da nudez e da carne é uma das mais acentuadas características dos povos onde domina o fanatismo católico”, como conta numa crónica que foi publicada no jornal Republicano, de Guimarães, em 10 de Março de 1917, que aqui se partilha.

Na praia

Lourenço Marques
Dezembro, 5 1916
Dezembro! Enquanto na minha terra o frio corta e o vento e as chuvas andam em correrias doidas, a chorar e a rezar, pelas ruas apertadas da velha cidade—aqui, bem longe, onde estou e donde escrevo, o calor é intenso e tomam-se banhos de mar! — Afinal, em Lourenço Marques, durante todo o ano é tempo de praia, e o mar, em Agosto ou Dezembro, tem sempre os banhistas do costume. Porém, um pouco por diferenças climatéricas, um pouco por convenção estabeleceu-se que nestes meses, a que estarmos costumados a chamar de Inverno, aqui se chamem — de Verão. Considero-me pois no Verão neste último mês de 916. Considero-me também na Polana (ou Polana beach, como querem os da comissão nacional de Turismo...); nesta terra portuguesa de Lourenço Marques (ou nesta terra inglesa de Delagoa Bay...), às 5 da tarde, num dia chic, da moda, em que na praia se reúne a fina-flor destas remotas paragens. Ponho de parte aqueles que no “bar” tomam fleumaticamente o seu whisky ou o seu tea e vou sentar-me na areia, debaixo dum toldo, com a espuma branca a morrer à beira dos meus sapatos. Fumo, contemplo c considero.
Contemplo — o mar que é dum tom azul muito escuro e diferente, o céu onde flutuam gaivotas, planando em curvas serenas, inalteravelmente claro e fluído; contemplo — os grandes steamers que passam ao longe, errantes, sem pátria, deixando atrás de si um rasto branco na água e um penacho de fumo estendido sobre a linha do horizonte; e, finalmente contemplo e admiro as banhistas deliciosas, num bando chilreante, a pequena distância, na minha frente. As deliciosas banhistas! E nem porque as vejo quase nuas, com seus curtos maillots humedecidos e moldados ao corpo, eu tenho um pensamento indecoroso, obsceno, carnal: olho a beleza como ela se me apresenta — com naturalidade. Admiro-a como arte que vive e palpita, e, como homem, desejo-a e evoco-a no que ela tem de nobremente humano. Por isso a minha vista poisa serena nesses corpos esculturais e seminus a que a água dá brilhos e claridades de mármore, pernas a que o Poeta chamou “lisas colunas”, braços coleantes como serpentes, seios altos, rostos virginais emoldurados de madeixas de oiro soltas da touca de cor intensa, fulgindo no azul do mar!
E vendo essas raparigas, inglesas quase todas, que não se envergonham nem preocupam em patentear ao olhar congestionado do portuguesinho curioso, indiscreto e malicioso, a beleza plástica do seu corpo — eu considero o escândalo que qualquer destas ingénuas girls, de olhar claro e virgem, educadas nos princípios domésticos da mais severa honestidade, considero o escândalo e a indignação que o seu deshabillé elegante provocaria numa das nossas praias de Portugal, onde as mulheres têm o mau gosto de aparecerem no banho vestindo umas detestáveis e inestéticas calças, dum pano grossíssimo, terminando em folhos até aos pés, e uma espécie de casaco apertado no pescoço e com grandes mangas, receando deixar aparecer uma nesga do corpo, talvez perfeito e belo como os mais belos! É certo que tudo provém da educação! A mulher portuguesa, cheia de preconceitos e fanatismos religiosos, esconde o corpo pela vergonha que provém duma falsa noção de pudor, porque no acto mais natural ela põe sempre um pensamento mau, reservado, intencional. A mulher inglesa não se preocupa em mostrar na praia a sua quase nudez e faz isto não por escandalosa coquetterie ou desbragamento de costumes, mas porque assim é mais cómodo e agradável para tomar o seu banho e porque, na educação livre e sã que recebeu, nunca lhe insinuaram que uma criatura nua fosse um espectáculo indecoroso ou aviltante.
Não resta dúvida que o horror da nudez e da carne é uma das mais acentuadas características dos povos onde domina o fanatismo católico. O próprio banho é um pecado! Pierre Louÿs nas suas magníficas “Chansons de Bilitis”, referindo-se à Grécia antiga, escreve: Peuple admirable, à qui la Beauté nue pouvait apparaître sans exciter le rire ni la fausse honte!
Pudesse a mulher portuguesa livrar-se de tão falsos preconceitos que a tornam muitas vezes uma escrava ou uma péssima esposa. Pudesse ela conduzir-se com essa naturalidade nas atitudes e nos gestos e essa consciente elegância, honesta e desenvolta, que são o cunho mais nobre da mulher inglesa e fazem dela, talvez, a melhor, a mais inteligente e carinhosa educadora de crianças!

Mário Cardoso.
Republicano, Guimarães, 10 de Março de 1917

Comentários