8 de maio de 2014

Mudança de paradigma? (1)

"Parque de estacionamento" de S. Francisco, por estes dias, ao início da noite.

Tem sido visível, nos últimos tempos, a paulatina transformação do terreiro de S. Francisco num parque de estacionamento, por via da sua paulatina ocupação abusiva, por um lado, e, mais recentemente, de uma decisão controversa tomada por quem tem a competência de a tomar para resolver um decorrente da instalação de um estaleiro de obras da responsabilidade do município no parque de estacionamento do Jardim de Infância S. Francisco.

A propósito desta questão, antes de mais considerações, começamos por recordar a reacção do então Presidente da Câmara na sequência de uma situação semelhante àquela que tem vindo a tornar-se numa realidade persistente de que as autoridades, aparentemente, não tomavam conhecimento. Estávamos nas vésperas do Natal de 2011:




Como contributo para uma melhor compreensão das palavras de António Magalhães, aqui fica, por agora, a descrição da intervenção de requalificação do Terreiro de S. Francisco, nas palavras da responsável pelo respectivo projecto:



O Terreiro

Terreiro de S. Francisco (fotografia de Rita Burmester)
Localizado no lado sul da Alameda de São Dâmaso e implantado a um nível claramente inferior, o Convento de São Francisco* materializa um processo edificatório que ocorreu entre os séculos XIV e XVIII. Apresentando-se como um valioso conjunto patrimonial, oferece à cidade quer a sua igreja, com uma cabeceira que possui um valor único na compreensão da arquitectura gótica mendicante em Guimarães, quer — contrastando vivamente com a secura da construção tardomedieval intervencionada em meados do século passado — a expressão barroca do corpo azulejado do antigo hospital e a exuberante fachada rococó da capela.

Apesar de ser considerado um dos edifícios monacais de maior importância na urbe nunca dispôs, ao longo da sua secular existência, de um espaço fronteiro de representação que fizesse justiça à sua importância e valia arquitectónica. Ao repensar a frente urbana do Convento de São Francisco no sentido da sua nobilitação, o projecto ambicionou, através de uma intervenção muito deliberadamente reduzida ao indispensável, materializar um espaço que se constituísse como o seu terreiro, estabelecendo um chão adequado à eloquente retórica que o edifício exprime.

Assim, num gesto que pretende atribuir um novo significado urbano ao conjunto franciscano, foi desenhada uma extensa superfície lajeada a granito — que encontrou a sua métrica nas irregularidades do pavimento preexistente —, um plano que se dispõe ao longo do convento, capela e dependências da homónima Venerável Ordem Terceira.

Este terreiro ex-novo, seco e grave, acolhe dois objectos autónomos que também eles, por oposição, se complementam e reforçam: o cruzeiro datado de 1593, que mantém a posição em que se encontrava já implantado assinalando a reentrância do adro que prolonga o corpo da igreja, e um banco em mármore lioz branco, agora desenhado, que, corrido em toda a extensão do terreiro — uma linha recortada contra o granito que a envolve —, na sua horizontalidade, sublinha o esforço vertical da peça quinhentista.

Concretizando a abertura de novas ligações pedonais entre a cidade alta e a zona da ribeira de Couros, propôs-se no topo sudoeste do terreiro a execução de uma escada que articula três níveis: Couros, São Francisco e Alameda. Muito discretamente implanta- da, sem perturbar a espacialidade do terreiro, permite no entanto singulares leituras ao facultar, a partir do passeio da Alameda, um enfiamento anteriormente inexistente sobre o interior da Zona de Couros e, no sentido inverso, uma nova perspectiva da fachada do corpo barroco do convento.

*Conjunto dos finais do século XIII e edificado originalmente junto à muralha do burgo medieval, foi deslocado por ordem real na centúria seguinte, tendo em vista o desatravancamento da muralha.


Maria Manuel Oliveira, “(re) Desenhar no coração da cidade: o Projecto de Reabilitação Urbana da Praça do Toural, da Alameda de São Dâmaso e da Rua de Santo António, em Guimarães”, in Monumentos (publicação electrónica), Instituto da Habitação e da Reabilitação Urbana, IP, Lisboa, 2013, pp. 128-129.
Partilhar:

0 comentários: