11 de dezembro de 2008

As Nicolinas de 1866

Incidente desagradável. – Os festejos escolásticos terminaram infelizmente por um desagradável incidente, que contristou toda a classe e mais pessoas que dele têm tido conhecimento.

Achando-se reunidas algumas famílias da sua amizade em casa do Ilm.º sr. Gaspar Ribeiro Gomes de Abreu na noite do último dia de máscaras, apareceram ali alguns estudantes mascarados e entre eles o nosso amigo José Baptista Felgueiras, filho do falecido Ministro de Estado João Baptista Felgueiras.

A entrada inesperada de um máscara, que evitava ser conhecido, suscitou a desconfiança nos estudantes presentes de que não pertencesse à classe, resultando daqui, como era natural, o desejo de o reconhecerem, desejo que, sendo contrariado, suscitou um reboliço que veio a terminar à porta da casa, onde foi gravemente ferido na palma esquerda o sr. Felgueiras ao aparar uma punhalada, que mão covarde e traiçoeira lhe despedia.

Este acontecimento causou o mais desagradável sentimento a todos que o presenciaram, tanto mais porque a vítima desta brutalidade é um excelente mancebo, de distinta educação, incapaz de ofender a ninguém e dotados dos mais nobres sentimentos.

A ferida não apresenta sintomas perigosos, apesar de ser profunda, e ter dado lugar a uma grande hemorragia de sangue.

No meio disto tudo, o que se torna notável, é que, tendo este sucesso lugar à porta do regedor da freguesia, são passadas quase 24 horas sem que da parte da autoridade administrativa se fizesse a menor diligência para indagar do acontecido!!!...

Por todos os motivos, lamentamos sinceramente este sucesso.

Festejos escolásticos. – Os festejos do S. Nicolau, feitos pelos estudantes desta cidade e de cujo princípio já fizemos menção em outro número deste jornal, continuaram nas noites que mediaram até quarta-feira (5), na forma dos anos anteriores.

Na madrugada deste dia teve lugar o clássico magusto na praça do Toural. Às duas horas da tarde do mesmo dia, saiu, como de costume, o bando masque, anunciando a função e programando os divertimentos do dia seguinte.

A letra do bando, que nos dizem ser do snr. padre Sebastião da Costa Vieira Leite agradou geralmente, e sobretudo a sua recitação, de que foi incumbido o sr. Nicolau Felgueiras.

Um outro grupo de estudantes mascarados percorria ao mesmo tempo algumas das ruas da cidade com um bando burlesco e de estilo epigramático e jovial.

Na quinta-feira de manhã teve lugar a costumada distribuição das maçãs às damas vimaranenses por uma cavalgada acompanhada de músicas e de tarde saíram duas danças, com que se concluíram esse ano estes antigos folguedos.

O Vimaranense, n.º 414, 5.º ano, Guimarães, 8 de Dezembro de 1866

Partilhar:

0 comentários: