1 de outubro de 2008

A "Cortejo Cívico" do 8.º Centenário de Afonso Henriques

Carro Histórico, comemorativo da Fundação de Portugal, concebido por Abel Cardoso (in Armindo Cachada, Cem anos da Marcha Gualteriana nas Festas da Cidade).

Em 1911, num tempo em que se colocava o nascimento de D. Afonso Henriques no ano de 1111, Guimarães celebrou o 8.º centenário do rei fundador com um cortejo cívico que integrou o programa das Gualterianas. O cortejo alegórico percorreu as ruas da cidade, em direcção ao Castelo, levando um acompanhamento musical composto por uma charanga, uma festada minhota e seis bandas de música, entre as quais se contava a do Regimento de Infantaria 20. Eis o programa do cortejo, tal como foi publicado no jornal Independente de 22 de Julho de 1911:

A Festa da Cidade

Comemoração solene

do VIII centenário do nascimento de D. Afonso Henriques

É este o dia principal das Gualterianas, consagradas neste ano ao ilustre Vimaranense que foi o Fundador da nossa nacionalidade.

Guimarães veste as suas melhores galas.

A Praça do Toural, para onde foi transferida a bela estátua da Rei Conquistador; a Praça de D. Afonso Henriques, transformada num amplo e formoso jardim público, as ruas de S. Dâmaso, Campo da Feira, Senhora da Guia e rua da Rainha, ostentarão vistosas decorações, executadas por Emiliano Abreu, segundo desenhos dos nossos distintíssimos artistas e ilustres professores Abel Cardoso e José de Pina.

O Toural será uma página dos Lusíadas, com as estâncias em que Camões cantou os feitos heróicos do Primeiro Português e com escudos onde se comemoram as conquistas e as vitórias de D. Afonso Henriques.


Pelas 11 horas do dia sairá da rua de Paio Galvão

O Cortejo Cívico

que deve constituir um dos mais belos números dote programa e que será organizado pela ordem seguinte :

I – Dois arautos, ladeando o porta-estandarte – cavaleiro vestido à época, conduzindo o estandarte branco de Afonso Henriques.

II – Um grupo do cavaleiros, vestindo como os guerreiros do século XII.

III – Carro Histórico, obra monumental de Abel Cardoso.

IV – Charanga de Cavalaria.

V – Corporação dos Bombeiros Voluntários de Guimarães e de Vizela, com algum material adornado.

VI – Banda de música.

VII – Escolas primárias oficiais.

VIII – Carro das escolas.

IX – Banda de música.

X – Grupo da Agricultura, no qual se incorporam os bois premiados na feira gualteriana, grupos de operários de lavoura, carro de alfaias agrícolas, grupo de ceifeiras, espadelada, festada minhota e carro da Casa Herold.

XI – Operários das fabricas de fiação e tecidos, de camisolas, de pentes, etc., e grupo de raparigas minhotas, cantando.

XII – Carro da Indústria, magnífico projecto de José de Pina.

XIII – Banda de música.

XIV – Associações de classe com as suas bandeiras.

XV – Banda de música.

XVI – Associações de recreio, dos Empregados de Comércio, Club de Caçadores e Grupo do Propaganda “Por Guimarães”.

XVII – Banda de música.

XVIII – Academia, professorado, Imprensa periódica, Sociedade Martins Sarmento, autoridades civis e militares, Associação Comercial, Câmara Municipal, representantes do Governo e, fechando o préstito, o regimento de infantaria 20 com a respectiva banda de música.

O Itinerário

do cortejo será o seguinte:

Rua de Paio Galvão, Toural (poente), Praça de D. Afonso Henriques (contornando), Toural (nascente), rua de Santo António até ao Castelo de Guimarães.

No sopé da estátua e no Castelo de Guimarães serão inauguradas inscrições com os seguintes dizeres:

Guimarães a D. Afonso Henriques

no VIII centenário do seu nascimento

VI-VIII-MCMXI

Partilhar:

0 comentários: