26 de fevereiro de 2013

Escritores vimaranenses (22): Frei Diogo do Rosário

FR. DIOGO DO ROSÁRIO, Dominicano, Prior no convento de Guimarães, e muito aceite ao venerável Arcebispo de Braga D. Fr. Bartolomeu dos Mártires. — Foi natural de Évora, e morreu em Guimarães no ano de 1580.-E.
Historia das vidas & feitos heróicos & obras insignes dos sanctos: com muitos sermões & praticas spirituaes, que seruem a muitas festas do anno. Reuistas & cotejadas cõ os seus originaes autênticos, polo padre frey Diogo do Rosairo da ordem de suo Domingos, de mandado do muy Illustre & Reverendissimo senhor dõ frey Bartholomeu dos Martyres Arcebispo & senhor de Braga, Primaz das Hespaqnhas, & Impresso em Braga em casa de António de Maris Impressor de sua senhoria Reuerendissima. Anno 1567.— Tudo ho que n'este liuro se tracta somete ho author aa censura da sancta madre ygreja cdtholica. Foy vista & examinada & aprouada a presête obra por mandado de sua senhoria Reuerendissima.Com priuilegio Real.— Este título acha-se dentro de uma portada gravada em madeira: fólio gótico: de IV-CCLXIX folhas, numeradas pela frente.
Tomo II. — Com rosto Igual nos seus dizeres, e contém II-CXCVIII folhas. Nesta edição (bem como nas seguintes) o texto é intercalado com gravuras em madeira, representando os factos das vidas dos santos historiados. Assim se imprimiu pela primeira vez este livro, conforme obtive saber por uns apontamentos, que deixara manuscritos o hábil bibliógrafo José a Silva Costa, e como depois verifiquei em presença de um exemplar que da referida raríssima edição existe hoje na Bibl. Nacional, pertencente anteriormente à livraria de D. Francisco de Melo Manuel da Câmara; pôde ser o próprio, que viu também o sobredito Costa. Reflectindo sobre o contexto do título, fica talvez razão para duvidar se Fr. Diogo foi próprio, e original autor da obra, ou se foi somente encarregado pelo arcebispo de rever e cotejar como ele diz, os originais que serviram para a impressão dela, compostos por outros sujeitos.
Seja porém o que for, é certo que esta edição é raríssima, e que Barbosa não houve notícia da sua existência; pois ele, e os que o-seguiram, têm até agora dado como primeira a outra, que se fez depois daquela, e que é realmente segunda, cujas indicações são:
Historia das vidas e feitos heróicos, e obras insignes dos Sanctos, etc. Coimbra, por António de Mariz 1577. fol. 2 tomos.
A esta seguiu-se uma terceira edição, também ignorada de Barbosa, e de todos os nossos bibliógrafos, que não fazem memória dela. O sr. Barbosa Marreca me fez ver há pouco um exemplar, existente na Bibl. Nacional, e adquirido pela casa na compra feita há poucos anos da livraria que foi de Cipriano Ribeiro Freire. Eis-aqui o seu título:
Flos sanctorum das vidas e obras insignes dos Sanctos. Com muitos sermões & praticas espirituaes, querservem pard muitas festas do anno. Lisboa, por Balthasar Ribeiro 1590. — À custa de João de Hespanha e Miguel d'Arenas, livreiros. Fol. gótico, de v-389 folhas. — As estampas desta edição são de gravura mais perfeita que as das anteriores.
A referida edição, além de ser até agora como que desconhecida, apresenta duas singularidades notáveis, que não deixarei de apontar: 1.ª, os caracteres góticos em que foi composta no ano de 1590, quando esta espécie de tipos estava já de todo fora do uso; 2.ª, a de sair dos prelos do impressor Baltasar Ribeiro, do qual se não me engano, apenas se conhecia uma produção única, que era o Discurso e Relação etc. de João Fogaça, impresso em 1591. Nela, como se vê, começou a alteração feita no título da obra denominando-a Flos Sanctorum.
Este Flos Sanctorum, o primeiro que saiu à luz em Espanha (se devemos dar fé à afirmativa de Manuel de Faria e Sousa) continuou a reimprimir-se depois várias vezes, sempre com alterações e aditamentos, a saber: Lisboa, 1622. fol. — Ibi, por Lourenço d'Anvers 1647. fi.—Ibi, por António Craesbeeck de Mello, 1681 (e não 1682, como tem erradamente Barbosa) foi. de VII-948 pág., com uma estampa gravada a buril, além de grande número delas em madeira intercaladas no texto. Nesta edição (de que tenho um exemplar) se acrescentaram as vidas de alguns santos, que correm de pág. 893 até ao fim, e se dizem compiladas da 3.*ªparte do Fim. Sanctorum do P. Ribadeneira. — As de S. Pedro de Alcântara e Santa Rosa de Viterbo são obras de Fr. Luís de S. José, capucho, falecido em 1704, segundo o testemunho de Barbosa no artigo competente.
Reimprimiu-se ainda uma vez o Fios Sanctorum por diligência ou indústria do P. José Pereira Baião, que lhe adicionou cento e tantas vidas de Sanctos novos. Lisboa, na Offic de Miguel Rodrigues, 1741. fol. 2 tomos. Esta mesma última edição está hoje exausta, de sorte que dificilmente aparece dela algum exemplar. Creio que o preço dos últimos vendidos tem sido regulado entre 4:800 e 7:200 réis, e talvez alguns por mais. Da reputada por primeira, isto é, de 1577, lembro-me de ouvir dizer, que alguns se venderam em tempo antigo por 14:400 réis. Um que existe na livraria que foi de Joaquim Pereira da Costa, acha-se no respectivo inventário avaliado em 6:000 réis.
Os outros Fios Sanctorum que temos em português, vej. nos artigos Fr. Francisco de Jesus Maria Sarmento, João Franco. Barreto, Simão Lopes, Boaventura Maciel Aranha, Jorge Cardoso, etc, etc.
Summa Caietana, trasladada em portuguez, com muitas annotações e casos de consciência, e decretos do sagrado concilio Tridentino. Por mandado do mui illustre e reverendissimo senhor D.Fr. Bartholomeu dos Martyres, etc Braga, por António Maris 1565. 8.° - Esta é a citada no denominado Catálogo da Academia. — Barbosa não a conheceu, e em lugar dela aponta outra feita em Coimbra, pelo mesmo impressor 1573: 8.º. 442 folhas numeradas pela frente. De ambas existem exemplares na livraria de Joaquim Pereira da Costa: o de 1565 avaliado em 800 réis, o de 1573 em 300 réis, em razão de achar-se muito picado de traça.
Há outra versão portuguesa da mesma Summa feita por Paulo de Palácio, a qual foi várias vezes reimpressa.
Tractado de avisos de confessores, ordenado por mandado do Arcebispo Primaz. Braga, 1578: 8.°—e Coimbra, por José Ferreira 1681.4.º. Ainda não pude ver esta obra, que inutilmente procurei na Bibl. Nacional e na da Acad. das Ciências, não sabendo também de algum exemplar quo exista em poder de particulares.
Dicionário Bibliográfico Português, de Inocêncio Francisco da Silva, continuado e ampliado por Pedro V. de Brito Aranha, Tomo II, Imprensa Nacional, pp. 173-174

Partilhar:

0 comentários: