12 de fevereiro de 2008

A Conferência Arqueológica de 1877

Citânia de Briteiros, em tempo de escavações arqueológicas. Fotografia de Francisco Martins Sarmento.

Nos dias 9 e 10 de Junho de 1877, por iniciativa de Francisco Martins de Morais Sarmento, reuniu-se em Guimarães uma conferência arqueológica, a primeira do seu género que se realizou em Portugal. No primeiro dia, os conferencistas, que representavam as principais cidades portuguesas, visitaram a Citânia de Briteiros, numa expedição arqueológica que foi assim descrita pelo padre António Caldas:

Chegados ao monte das ruínas, foram aí agradavelmente recebidos por uma fila de formosas camponesas, aspergindo flores sobre eles ao som de uma banda marcial e ao estrondear de subitâneas girândolas de foguetes. A visita principiou em minuciosas análises, desde as fraldas ao planalto do monte, onde as ruínas se amontoam, e entre as quais se levantam duas pequenas casas redondas, reedificadas na sua forma primitiva pelo indefesso explorador, e que hoje servem como de museu, onde o exmo. dr. Sarmento vai coleccionando os objectos explorados.

Esta visita científica terminou com o findar do dia, passado todo em curiosas e interessantes questões arqueológicas, e animado por um lauto e animadíssimo lanche, principescamente servido no mais alto do monte, à sombra de uma extensa barraca de campanha.

Foi um verdadeiro dia de festa, o mais aparatoso e civilizador, de que tem sido teatro aquele imenso jazigo de ruínas desde a sua origem, talvez.

A conferência propriamente dita decorreu na noite do dia 10, no palacete de Sarmento, em Guimarães. Aí se discutiram “variados assuntos arqueológicos”, até às 2 horas da madrugada. Foi nessa altura que se projectou criar, por proposta do professor Pereira Caldas, um Centro Arqueológico Português, com sede em Guimarães, que se propunha “iniciar, dirigir, e aconselhar as escavações arqueológicas em nosso país”. Por sugestão de Augusto Soromenho, um dos representantes de Lisboa, aquela instituição científica deveria adoptar a designação de Associação Arqueológica Martins Sarmento.

Partilhar:

0 comentários: