Consumado, mas não explicado. (II)


Lendo o Guimarães Digital, já encontrei resposta para duas das perguntas que aqui coloquei, a propósito do parque de estacionamento da Caldeiroa:
1. O parecer do ICOMOS-Portugal sobre o parque de estacionamento da Caldeiroa-Camões deu entrada na Câmara Municipal de Guimarães em Setembro, antes da campanha das eleições autárquicas, em que este projecto foi muito debatido. Regista-se que a informação sobre o parecer foi subtraída ao conhecimento dos cidadãos eleitores interessados em formar as suas opiniões e fazer escolhas. E pergunta-se: também o seria se o parecer, em vez de negativo, fosse positivo?
2. Uma das pessoas com quem a Presidente do ICOMOS-Portugal reuniu no âmbito da preparação do parecer sobre o parque de estacionamento foi a responsável pelo Gabinete de Couros, a arquitecta Alexandra Gesta. Sendo a avaliação exclusivamente técnica, e não de natureza política, é compreensível que tenha reunido com a responsável técnica pela área onde o parque seria implantado, não se percebendo qual a pertinência de reunir com o presidente da Câmara.
Como não é tudo dito com clareza e é necessário fazer a decifração do que é dito e do que está implícito no que fica por dizer, há dúvidas que persistem e que se adensam. Uma delas é a de saber quantos pareceres existem, afinal. E, já agora, se o pedido de acompanhamento que foi dirigido pela Câmara ao ICOMOS, em Março de 2017, se refere à candidatura do arrabalde de Couros ao reconhecimento pela UNESCO, no seu todo, ou especificamente à obra do parque de estacionamento, como foi afirmado, publicado e nunca desmentido na sessão informativa realizada na Sociedade Martins Sarmento em 22 de Maio.
A responsável pelo Gabinete de Couros afirma que foi recebido, do ICOMOS-Portugal, “um parecer absolutamente irrepreensível” e que, depois, chegou “outro documento” (este, já se sabe, é de Setembro; do outro, ainda se desconhece a data, informação que não será irrelevante). Assim sendo, parece certo que existem dois pareceres emitidos pelo ICOMOS-Portugal. Aparentemente, o primeiro pronuncia-se sobre a intenção de candidatura ao alargamento da classificação da UNESCO à área de Couros e, o segundo, sobre o projecto do parque de estacionamento. Será assim?
Tudo isto é um emaranhado difícil de desenlaçar, por ausência de clareza na informação que é veiculada. Suspeito que, entre nós, a transparência já teve dias melhores. Permitam-me que pergunte: quando é que os nossos responsáveis políticos vão perceber que a não divulgação de informações relevantes para o esclarecimento da opinião pública apenas abre caminho a especulação, suspeições e a teorias da conspiração que não trazem qualquer benefício?
E, como de costume, já não faltará por aí quem pergunte:
— Afinal, têm medo de quê?

Sem comentários:

Com tecnologia do Blogger.