Prefácio


MEMÓRIAS DE ARADUCA

E assim a nossa leal vila de Guimarães tão antiga, como ilustre, teve tantos nomes, como foram as nações que a ocuparam: foi a sua fundação dos Galos Celtas, porque ficaram estes tão desbaratados, que compadecidos os Gregos do suas desventuras os receberam entre si, e com afabilidade lhe deram lugares, e terras, onde vivessem, e de tal maneira os trataram como seus filhos, que desta sorte ficaram naturais, e moradores de Entre-Douro-e-Minho, cultivando a terra que fica entre Lima e Minho. Aos Tudertanos que entre os Galos Celtas era gente mais nobre, e que haviam escapado da derrota, que entre si tiveram na passagem da rio Lima, e que ficando atrás se foram aposentar na antiga morada dos príncipes da Lusitânia, ali fizeram uma povoação a que chamaram Araduca, da qual Ptolomeu faz menção L. 2. C. 5 no ano de 339 antes de Cristo, onde agora está situada a vila de Guimarães.”
Padre Torcato Peixoto de Azevedo

Assim como Araduca, a cidade mítica que dizem que terá existido no local onde Guimarães depois se implantou, também a história de Guimarães se confunde, não raras vezes, com lendas e tradições que a historiografia nem sempre confirma.
Este blogue é um espaço de opinião e divulgação dedicado à história, à cultura, ao modo de ser e às tradições de Guimarães e dos vimaranenses. De vez em quando, também é um lugar de causas. As opiniões aqui expressas apenas reflectem e comprometem o pensamento do autor que as subscreve.

SER DE GUIMARÃES

Guimarães tem sido sempre também uma das constantes da minha vida. Em toda a parte me dou a conhecer como homem de Guimarães E, em toda a parte, me conhecem como tal.Quando alguém me pergunta se sou português, é do meu hábito – e da minha verdade – responder:Não, não sou português, sou mais do que isso, sou de Guimarães! Com efeito, sou de uma pátria pequenina e sólida chamada Guimarães, que tem por limite Vizela e Caneiros, a Penha e a Pisca. O resto, meus velhos amigos, é a fronteira de um outro mundo’.No amor pelos homens, e na defesa dos seus direitos e dignidade, não reconheço fronteiras. Mas a minha Pátria, a Pátria que me fez vibrar, a minha Pátria autêntica e forte é a Pátria da minha infância, é Guimarães!
Joaquim Novais Teixeira

OS VIMARANENSES
Porque têm história, a história é objecto de culto entre os vimaranenses. Não exactamente a história-ciência, tal como agora consta dos livros e se ensina nas universidades. Essa, não lhes diz grande coisa, porque há uma outra história, a deles, muito mais antiga, muito mais perene, que se transmite de geração em geração, carregada de verdades inquestionáveis. É a essa história que os vimaranenses se vinculam e que veneram como parte indissociável da sua herança colectiva. Até o mais humilde e menos letrado dentre eles será capaz de a defender, com a galhardia e a veemência dos que se sabem senhores da razão, com o mais ilustrado dos catedráticos. Porque, como já alguém disse, em Guimarães somos todos historiadores.


Memórias de Araduca é um blogue de António Amaro das Neves | Guimarães | Minho | Portugal.



Comentar

2 Comentários

anonimo disse…
Eu tenho algo de extraordinário caros senhores, na minha 8 geração da minha família tenho um senhor que se chamava João Vimarae patterno e sei dos registos em latim mostra que família Vimarae vem de linha direta de Vimara e o mais engraçado nisto tudo estes Vimaras vem de Saxónia e também possuo registos em latim desta família e que os colocam em Coimbra e Braga é tudo verdade com registos da Alemanha.

Não não somos todos historiadores, para isso é preciso ter documentos, registos para dizer alguns são historiadores, mas eu não sou, não.

Que o nome de Guimaraes se pegou ao burgo do mosteiro da Condesa, que foi depois villa, e os moradores d'elle eram chamados burguefes de Guimaras.

en cafa de burgues contra fua vontade. Melhor ainda fe proua ito pela compofiçam antiga, que fe guarda no archiuo da Igreja de Guimaraés feita entre dom Efteuam Arcebifpo de Braga, e ocabido Bracarenfe de húa parte: e o Prior, conegos, e porcionarios de Guimaraés da outra. Onde depois de fe nomearem as Igrejás do burgo com mais duas de fora d'elle,que hauiam deferifen tas de pagar certo cenfo á Sé de Braga,as quaes Igrejas do burgo eram fam Paio,e fam Miguel do Catello, e as defora fanta Eulalia de Feramontaós, e fam Miguel de Creximir,pera fetrattar das mais, que ficauam fora do burgo diz afsi. In ecclefiji autem aljs extra burgum, in quibus Vimaranemfis ecclefia ius obtinet patrematus etc. Quer dizer, nas outras lgrejas fora do burgo, nas quaes a Igreja de Guimaraés, tem direito de padroado. 4 E pelo confeguinte os moradores defeburgo eram chamados burguefes de Guimaraés

E por aqui vemos o nome da pequena herdade Guimaraés andar no burgo do moteiro,e os moradores d'elle ferem chamados Vimaranenfes. Verdade ê, que neta me{ma compofiçam fe nomea tambem Villa Vimaranenfis. Nam feife era chamarlhe hora quinta,hora burgo, e hora burgo,horaia villa, porque ambos os nomes feruiam, poto que o de villa muito raramente. • 6 E notefe, que eta villa nam Catello perabaxo, como algúns dizem,fenam debaxo pera cima, como fe motra pelo que temos ditto, queê começarfe ella pelo burgo feito iunto ao moteiro.O qual erro naceo depois que elRei dom Dioniz cercou Guimarães.

Muitos dizem ser de Guimarães e usam o nome que não tem direito nenhum, mas usam...
anonimo disse…
vou deixar vos aqui um pequeno registo e é para ficar a pensar quem são estes Vimarae ou Vimariae ou Vimario, qual a ligação aos reis Portugueses? e depois vão entender a verdadeira história de Portugal e não aquela que julgam conhecer !


Johannes Mariana - 1592
hoc deie&to, quoniam infoíentes miores erant, fuperbæ aures, frater Vimara ... Vimarae alius ex eadem familia fucceffor eft datus, cuius nomen memoriae ...

Petro in eius cpifcopatu Pelagius Diacius fuccefsit, ex iudice profano fe; faétus, malis artibus viquc. & hoc deie&o, quóniam infoentes miores erant, fuperbae aures, fratcr Vimara fuffèétus vita fimili, fiue cafu fiue proditionc in flumine Minio perijt. Vitio, illorum tempórufh mores facerdotum in leuitatem incubuerant maximè,non in Hifpania tantùm, fed in alijs etiam orbis terrae partibus. Romaque ipfà, quæ caput & domicilium fànétitatis effè confueuit, grauifsimo fchifmiate ÉÉ no Bonifacio, Benediéto, & Ioanne per hæc tempora, de pontificatü`contendentibus. Morum prauitas quanta fuerit ex Ticinenfi Diacono,qui vifa in hiftoriam retulit,cognofcere licet.Vimarae alius exeadem fàmilia fucceffor eft datus, cuius nomen memoriae proditum non eft (Ifquariam nonnulli codices habent fufpicor fàlfò).Is duobus confanguinéisjnihilo fànior cüm effèt, Regis iufiü carceri eft mancipatus.

Vimara frater fuccefTor fuit. Poftquem rexit Compoftella nam ecclefiam alius quidam exfamilia Vimarae, ,cuius nomcnlitcris proditum nó inueni.Hica Veremundo Rege proptercclcra fua vinculis traditus eft.Hæc omnia exhiftoria Compoftellana 965


Vimarae alius exeadem fàmilia fucceffor eft datus, cuius nomen memoriae proditum non eft (Ifquariam nonnulli codices habent fufpicor fàlfò).Is duobus confanguinéisjnihilo fànior cüm effèt, Regis iufiü carceri eft mancipatus

Qual o titulo de D. João V rei de Portugal relativo a Guimarães, teve um ducado verdade ?

Titulo este que foi criado em 1475 por D. Afonso V e da relação de sangue com a casa de Saxe.

Quem é Vimarae ?